O presidente da Câmara de Sardoal mostra à ministra da Coesão Territorial projeto do Parque de Negócios de Andreus. Créditos: mediotejo.net

A Câmara Municipal de Sardoal aprovou por maioria, com duas abstenções do PS, a abertura do procedimento para a construção do Parque de Negócios de Andreus, um investimento na ordem de um milhão de euros e que pode albergar até 10 empresas em território sardoalense.

Trata-se de um investimento na ordem de um milhão de euros mas de momento foi aprovada uma despesa de 870.161,35 (mais IVA). O executivo municipal candidatou-se a apoio financeiro comunitário do Programa Centro Apoio à Localização de Empresas para a concretização do projeto. A CCDR do Centro já manifestou intenção de aprovação do Parque de Negócios de Andreus, deu conta o presidente Miguel Borges (PSD) na última reunião de executivo, que teve lugar na quarta-feira, dia 5 de janeiro.

ÁUDIO | MIGUEL BORGES, PRESIDENTE CM SARDOAL:

No momento da apresentação da ideia, em agosto de 2020, o presidente da Câmara Municipal, Miguel Borges, explicou tratar-se de “uma estrutura modelar moderna que venha dar seguimento à nossa Zona Industrial que neste momento está esgotada”.

O executivo municipal pretende construir o Parque de Negócios Andreus num terreno do Município. “O que se propõe é dar utilidade a este terreno com financiamento comunitário que será de 85% e criar ali uma outra centralidade em termos de dinâmica empresarial”, justificou o autarca na altura.

Reunião de Câmara Municipal de Sardoal decorreu por videoconferência. Créditos: mediotejo.net

Propõe-se um trabalho de arquitetura paisagística que será realizado com enquadramento. “Alguns pavilhões enquadrados na paisagem de forma a dar continuidade aos interesses que alguns empresários que têm manifestado querer fixar-se no nosso concelho”, referiu na ocasião Miguel Borges. Com o estudo paisagístico o executivo pretende excluir “a descaracterização da aldeia de Andreus. Queremos dar dinâmica ao espaço e à terra”, afirmou o presidente.

O executivo pensa realizar este projeto em duas fases com um investimento total a rondar um milhão de euros. O Parque de Negócios tem um limite máximo de 10 empresas.

Mas os vereadores do Partido Socialista entendem não ser o local escolhido pela maioria PSD “ideal” para uma estrutura daquela natureza considerando Pedro Duque ser um espaço para um “ninho de empresas” e não para várias empresas que “impliquem uma área muito alargada”.

Conceito que, no seu entender, poderia ter sido aplicado através do alargamento da zona industrial já existente ou até noutros locais do concelho. Lembrou que o objetivo inicial de aquisição daquele terreno “não era aquele” sendo que o PS defende um projeto direcionado à habitação.

ÁUDIO | PEDRO DUQUE, VEREADOR PS CM SARDOAL:

Fazendo votos para o sucesso do projeto e que possa representar “uma alavanca para Andreus e para o concelho de Sardoal”, os dois vereadores do PS optaram pela abstenção, com Pedro Duque a lembrar que o projeto foi apresentado “de um dia para o outro sem qualquer tipo de discussão prévia” considerando ter havido “menor hombridade por parte do executivo na apresentação do projeto” do Parque de Negócios de Andreus.

Em resposta Miguel Borges recusou a denominação de “ninho de empresas”, lamentou que Pedro Duque não reconhecesse a importância daquele parque empresarial tal como reconhece a CCDR e considerou “curioso” que o PS “insista numa visão de passado” referindo-se à solução de habitação que os socialistas defendem para aquele terreno municipal em Andreus, dando conta de um valor de 400 mil euros para a urbanização do terreno, sem apoio de fundos comunitários.

ÁUDIO | MIGUEL BORGES, PRESIDENTE CM SARDOAL:

“Aquilo que apresentamos como alternativa é um polo de dinâmica comercial, empresarial, um polo de dinâmica de valor acrescentado que vai até 10 empresas de uma área especifica que se enquadra ali, que cria postos de trabalho e que cria volume de negócio”, defendeu o presidente.

Por seu lado, Pedro Duque disse “discutir” o valor de 400 mil euros em infraestruturas que classificou de “inflacionado” tendo em conta a opinião de peritos e lembrou tratar-se de lotes para “habitação diferenciada” que, segundo o vereador socialista, “tem procura na nossa área”, insistindo não ser terreno adequado a um parque empresarial “atendendo ao declive, à geografia e à geologia” do mesmo.

ÁUDIO | PEDRO DUQUE, VEREADOR PS CM SARDOAL:

Miguel Borges acabou a discussão dizendo que o discurso do vereador do PS “é de bota abaixo” e que “quer denegrir” o Parque de Negócios de Andreus. Pedro Duque negou dizendo que “se calhar já contribuí” no que diz respeito “as intenções” dos empresários escolherem aquele local para a localização da sua empresa.

A proposta acabou aprovada com três votos favoráveis do PSD e duas abstenções do PS. 

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.