A distrital de Santarém do Bloco de Esquerda vai realizar este domingo, dia 20 de março, na Horta d’el Rei, em Salvaterra de Magos, um encontro sobre a poluição no rio Tejo e a situação da central nuclear de Almaraz (Espanha), disse o depuatdo Carlos Matias.

O deputado bloquista eleito pelo distrito de Santarém afirmou que o encontro contará com a participação de ambientalistas, estando em estudo a possibilidade de realização de uma ação exigindo o encerramento da central de Almaraz, situada a 100 quilómetros de Portugal, e onde foram detetadas falhas no sistema de arrefecimento de serviços essenciais.

Carlos Matias afirmou que o tempo de vida da central acabou em 2010, sendo inaceitável que o Governo espanhol tenha prolongado o seu funcionamento por mais 10 anos, com todos os problemas revelados, como as falhas nos sistemas de arrefecimento ou a ausência de revisões periódicas há 19 anos, o que classificou de “irresponsabilidade criminosa” a exigir uma tomada de posição das populações.

Os participantes convidados são: Pedro Soares, Presidente da Comissão de Ambiente da AR – José Cardoso Moura, Engenheiro Químico – Carlos Matias, Deputado do BE eleito pelo círculo de Santarém – José Maria Mouro da Associação Pró-Tejo – Jorge Costa deputado do BE e membro da Comissão de Ambiente da AR – Samuel Infante da Quercus – Luís Gomes, Vereador do BE na Câmara Municipal de Salvaterra de Magos – João Diogo, empresário turístico – Armindo Silveira, membro do Grupo de trabalho de Ambiente da Coordenadora Distrital do BE – Fernando Rendo, Vereador do PODEMOS no Município de Mérida.

A conferência iniciar-se-á pelas 10 horas, ao que se seguirá um almoço convívio. Às 15 horas os conferencistas deslocar-se-ão de barco, em visita pelo Rio Tejo, acompanhados pela presença de Catarina Martins, porta-voz do BE.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.