Foto: Rafael Ascensão/mediotejo.net

Sensivelmente a meio da Festa da Bênção do Gado, a qual começou a animar a vila de Riachos desde 22 de julho e que assim vai continuar até 1 de agosto, o nosso jornal acompanhou na quarta-feira, dia 27 de julho, uma largada de toiro à corda – naquela que é uma novidade nesta festa –, momento em que o mediotejo.net aproveitou para falar com Carlos Graça, presidente da Bênção do Gado Associação Cultural, que revelou que a festividade está a ultrapassar as expetativas da organização.

Foram centenas as pessoa que se foram concentrando nas ruas de Riachos onde já se sabia que ia passar o toiro, numa largada à corda, em mais uma iniciativa relacionada com as raízes rurais de Riachos, embora nunca se tenha feito uma largada nesta localidade, pelo menos que seja de conhecimento de Carlos Graça. Muitos dos presentes juntavam-se perto dos cafés pelo caminho, outros tantos nos passeios, os mais cautelosos prontamente se colocaram em cima de muros ou noutras zonas mais elevadas.

Após um período de espera, eis a adrenalina, com o animal a surgir a correr pelas ruas, relativamente controlado pelas cordas seguras por um grupo de homens e rapazes. Mas um touro nem sempre faz ou vai para onde se espera, pelo que entre os avanços e recuos muitos foram os sobressaltos e as injeções de adrenalina entre os presentes.

VÍDEO

Os mais aventureiros atiçavam a besta com guarda-chuvas ou davam-lhe palmadas no lombo quando passavam a correr. A certa altura a corda parecia começar a alargar e estar em risco de se desprender do animal, pelo que valeu a bravura do grupo que, em um agarrando-o de frente, logo se juntaram a controlar o touro.

Entre corridas, sustos e muitos risos, lá foi o touro pelas ruas até chegar, cansado, a uma zona de descampado, onde ainda houve tempo para mais umas “brincadeiras”, naqueles que são os festejos da ruralidade riachense.

GALERIA

A incorporação das largadas na festa foi uma novidade, um “desafio” que a organização resolveu lançar, tendo em conta que “as pessoas gostam de ver o touro, gostam de brincar na rua”, mas sobretudo para alargar a festa a mais polos em Riachos, “e não concentrarmos a festa apenas no recinto e nas ruas engalanadas. Estamos a abrir novos caminhos dentro de Riachos e nós ou a próxima direção que vier que dê essa continuidade. Ou seja, queremos que Riachos inteiro participe na Festa da Bênção do Gado com mais presença”, explica Carlos Graça.

Festa essa que está a ultrapassar as perspetivas da organização, a qual revelou em entrevista ao nosso jornal que em termos de entradas permanentes já vendeu cerca de 75% mais em relação ao último ano de festa, há seis anos. Só no primeiro dia estiveram mais de 4.500 pessoas no recinto, garantiu o festeiro.

Segundo o organizador, isto deve-se essencialmente a uma forte adesão das pessoas de Riachos, sendo também percetível que as pessoas que vêm de fora gostam do que encontram, como as ruas engalanadas, e são bem acolhidas pelos riachenses, diz Carlos Graça, que acrescenta ainda que toda a gente tem dado os parabéns pelo recinto da festa, um espaço “amplo, aberto e convidativo a que as pessoas tenham o seu momento para conviver com os amigos e além disso assistir aos espetáculos no novo palco”.

Quanto ao Cortejo da Bênção do Gado, momento alto da festa, Carlos Graça diz que é uma tradição em Riachos manter-se o segredo até à própria da hora mas que a organização tem feito alguma pressão para tentar perceber a ideia das pessoas da modo a melhor organizar o cortejo, pelo que se está a aperceber que “mais uma vez vai aumentar o cortejo, vai ser um cortejo maior, muito mais digno”.

Festa da Benção do Gado em Riachos. Foto: DR

Pelo que Carlos Graça tem conseguido perceber, as participações que vão ocorrer “não são por participar mas sim com fundamento, com razão de ser e com uma presença, vão estar presentes mas ou vão realçar a sua família ou vão realçar algo que os antigos faziam, e isso é o que nós estamos a sentir, que a qualidade está a subir, está a aumentar, e isso é que é o importante, porque há muitos jovens que não conheciam as raízes rurais de Riachos e vão começar a conhecer muito mais e melhor”.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.