Quinta do Bill junta filarmónicas torrejanas em concerto apoteótico no Virgínia. Foto: Luís Carmo

Foi um concerto memorável aquele que a banda Quinta do Bill proporcionou no sábado num lotado Teatro Virgínia, em Torres Novas, e que contou com a participação das filarmónicas da Sociedade Musical União e Trabalho e da União Pedroguense, dirigidas pelos maestros Ivo Santos e Ivan Branco.

A ideia da banda liderada por Carlos Moisés em juntar em palco os músicos de bandas filarmónicas das localidades onde atua, revisitando os temas de uma carreira de sucesso com mais de três décadas, tem granjeado elogios de norte a sul do país, com momentos inesquecíveis para os músicos e familiares das bandas filarmónicas, menos habituados a partilhar o palco com artistas de calibre nacional.

O concerto, que esgotou a lotação do Virgínia em apenas três dias, marcou com chave de ouro a abertura da programação do primeiro trimestre de 2023 em Torres Novas. O registo fotográfico é do Luís Carmo.

FOTOGALERIA

Até ao final de março, o Virgínia receberá, além de música, espetáculos de dança, circo, teatro, humor, com Margarida Montenÿ e Carminda Soares a apresentarem, dia 14 de janeiro, “Simulacro”, um espetáculo de circo e dança “que é um exercício de intimidade, repetição e resistência”, afirma uma nota do município de Torres Novas.

Para janeiro estão, ainda, agendados espetáculos com o humorista Luís Franco-Bastos, que apresenta “Diogo” no dia 21, e a peça “Do deslumbramento”, do Teatro Meridional, no dia 27, “sobre a história de um homem que acorda numa memória”.

O espetáculo de dança “Em dois”, de Roberto Olivan para a Companhia Instável, abre o mês de fevereiro (dia 03), acolhendo o Virgínia, dia 11, um dos espetáculos do Festival Montepio Às Vezes o Amor, com Fernando Daniel, “um dos artistas pop nacionais mais relevantes da atualidade, em acústico”.

No dia 18, de manhã, Catarina Requeijo apresenta “Não há duas sem três”, para os mais pequenos, atuando à noite, no Teatro Maria Noémia, na Meia Via, o humorista Tiago Almeida, com fevereiro a fechar (dia 25) com a peça “A Estudante e o Sr. Henrique”, com Aldo Lima, Inês Castel-Branco, Inês Sá Frias e José Pedro Gomes.

Em março, dia 04, Dan Livingstone, “conhecido pela sua voz potente e expressiva”, atua com o percussionista Gabriel Lemieux Maille, estando agendado para dia 11 um espetáculo de dança para crianças a partir dos 3 anos, “Galochas”, de Martina Griewank Ambrósio.

A atriz que dá nome ao teatro torrejano inspirou a peça “Virgínia”, de Pedro Marujo, que sobe ao palco no dia 18, terminando o trimestre com a estreia de “Duas pessoas & uma ilha sozinha”, pelo Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia.

A programação do Teatro Virgínia integra, ainda, atividades no âmbito do serviço educativo, sessões de cinema e a continuidade do Teatro em Formação.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *