Proteção Civil testa população com exercício A Terra Treme. Foto: DR

A Proteção Civil promoveu às 11:09 de hoje o exercício público de preparação para o risco sísmico, uma ação que dura um minuto e compreende a realização de três gestos: baixar, proteger e aguardar.

O exercício, denominado “A Terra Treme” (www.aterratreme.pt), é organizado todos os anos pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em colaboração com diversas entidades públicas e privadas, e visa capacitar a população a saber como agir em caso de sismo.

A ANEPC pretende com esta iniciativa dar a conhecer à população o que deve fazer antes, durante e depois de um sismo, nomeadamente quais as medidas preventivas e os comportamentos de autoproteção a adotar.

Segundo a ANEPC, o exercício compreende a realização de “três gestos simples que podem fazer a diferença a quem os praticar perante a ocorrência de um sismo”.

A Proteção Civil refere ainda que a ação desenrola-se durante um minuto, no qual os participantes, a título individual ou coletivo (famílias, escolas, empresas, instituições públicas, privadas ou associativas), são convidados a executar os três gestos de autoproteção: baixar, proteger e aguardar.

Em todo o país, os Comandos Regionais de Emergência e Proteção Civil (CREPC) e os Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) da ANEPC vão, em parceria com as comunidades educativas locais, corpos de bombeiros, serviços municipais de proteção civil e os demais agentes de proteção civil, promover ações de sensibilização sobre a temática do risco sísmico e as medidas de autoproteção.

c/LUSA

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *