Foto: D.R.

A exposição fotográfica de António Cotrim sobre os “Rostos de Timor” chega a Ourém a 4 de setembro, segunda-feira, ficando patente até 31 de outubro. Das 09h00 às 17h00, se segunda a sexta, na Biblioteca Municipal de Ourém.

“Uma homenagem aos homens e mulheres de Timor que sofreram, lutaram e morreram pela liberdade e independência de uma terra que amavam e à qual queriam chamar “o meu país”. Estes são os rostos de um povo (Baucau e Díli) que nunca desistiu, nunca se resignou e, acima de tudo, nunca esqueceu a sua língua, a sua cultura ancestral, a sua identidade. Após 24 anos de ocupação pela vizinha Indonésia, Timor – Leste tornou-se independente em maio de 2002. Este grito de liberdade ficou, para sempre, escrito na História com sangue e com lágrimas, derramadas ao mesmo tempo que se entoava uma oração num cemitério, um lugar sagrado que as armas tentaram calar e não souberam respeitar. No local onde se honravam os mortos, começou o fim do sofrimento daqueles que, corajosamente, mostraram ao Mundo que se mantinham vivos”, narra a nota de imprensa.

António Cotrim é natural de Lisboa e desde cedo começou a trabalhar na área da comunicação social, passando pela Lusitânia, ANOP, Notícias de Portugal e Agência Lusa, onde trabalha atualmente. Tal & Qual” e “O Record” foram dois dos jornais com os quais colaborou. Ao longo da carreira, tem registado com a sua objetiva momentos únicos ocorridos tanto em Portugal como no mundo, nas diferentes missões de reportagem que integrou. 

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.