Foto: Verdade e Vida Livraria

A Livraria Verdade e Vida, um espaço histórico em Fátima, concelho de Ourém, que marcou o estudo da teologia em Portugal nos últimos 57 anos, vai encerrar ainda este ano. A falta de sustentabilidade que afeta as livrarias independentes, assim como o reduzido mercado dedicado à teologia em que a instituição era especializada, conduziram à decisão de encerramento, depois de três anos em busca de comprador. Três funcionárias vão para o desemprego e perde-se uma referência nacional para a Igreja Católica.

A decisão de encerramento foi anunciada na sexta-feira, 29 de maio, na página de facebook da livraria. Para já o espaço continua aberto, realizando o complexo trabalho de devolução de livros, conclusão de encomendas e liquidações de stock. Sem data ainda oficial de fecho, é certo que fechará depois do verão, adiantou ao mediotejo.net o porta-voz da provincial da Ordem dos Dominicanos, frei José Carlos.

“Temos consciência da importância da Verdade e Vida para a teologia em Portugal”, adiantou o responsável. “Até ao 25 de abril, e mesmo até surgirem as vendas online, era ali que se vendiam os livros estrangeiros” de teologia, que não se encontravam em mais nenhuma superfície livreira.

“Foi essa história que foi atrasando a decisão de encerramento”, reconheceu, uma vez que a livraria fatimense, mesmo junto ao Santuário de Fátima (lado sul), “foi um marco para a Igreja Católica”.

Na Verdade e Vida vendiam-se livros que interessavam a pessoas com formação e genuíno interesse em matérias específicas da teologia, sendo por tal uma livraria especializada, onde padres, bispos, cardeais e estudantes de teologia procuravam bibliografia. Neste sentido, reconheceu, é uma perda de nível nacional.

A decisão final não veio na sequência da crise pandémica, garantiu o sacerdote, sendo que o encerramento já estava definido no início de 2020. “As livrarias estão há muito tempo numa fase crítica”, constatou, e o nicho de mercado a que esta em particular se dirigia é cada vez mais pequeno. “Uma livraria de especialidade como a Verdade e Vida deixou de ser sustentável”, referiu.

A Ordem dos Dominicanos, que detém a propriedade da livraria, tentou nos últimos três anos trespassar o negócio, que foi ficando mais pesado também com o aumento da renda da loja. “Não houve ninguém interessado”, adiantou, referindo que, se surgirem compradores, a congregação continua disponível para vender a livraria e manter o emprego às três funcionárias. “Também nos custa, foram 57 anos”, admitiu.

Outro factor que conduziu ao encerramento, adiantou, foi a elevada idade e cada vez menor número de frades dominicanos. A livraria precisa de uma gestão permanente e dinâmica, que neste momento é cada vez mais difícil de garantir pela congregação.

“Todos os clientes que tenham assuntos pendentes para resolver ou tenham saldo no cartão cliente, devem passar/ligar para a livraria, para que resolvam a situação”, informa a livraria na página de facebook.

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Lê-se no artigo que com o fecho da livraria perde-se uma referência nacional para a igreja católica, mas a igreja católica nada faz para evitar o encerramento da mesma. Meter dinheiro ao bolso é com eles agora para ajudar até que os ajuda a eles está quieto

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.