Dia do Município de Ourém marcado por homenagens, inaugurações e recados. Foto: CMO

Foi no dia 20 de junho de 1991 que Ourém foi elevada à categoria de cidade, daí ser feriado municipal, coincidindo este ano com o último dia da FeirOurém, evento que decorreu entre os dias 15 e 20 de junho.

Início das comemorações em frente ao edifício-sede do Município de Ourém, Foto: CMO

Da parte da manhã, decorreu o hastear das bandeiras ao Edifício-sede do Município, na presença de autarcas da Câmara, Assembleia e Freguesias, bem como da fanfarra da Sociedade Filarmónica Ouriense e dos Bombeiros Voluntários de Ourém.

Homenagens e reconhecimento

Seguiu-se a sessão solene no Teatro Municipal de Ourém que começou com a assinatura de dois protocolos de Cooperação com a Prefeitura de Ourém (Pará, Brasil) e a cidade de Wadowice (Polónia), “com vista ao desenvolvimento de um conjunto de ações que visam aproximar os cidadãos e as instituições, nos mais diversos domínios de interesse comum”, segundo a autarquia.

Com alguns apontamentos musicais do Conservatório de Música e Artes do Centro, a sessão prosseguiu com a entrega de medalhas a figuras de Ourém com base no Regulamento de Distinções Honorificas.

Homenagens e reconhecimento

Receberam a Medalha Municipal de Bons Serviços, os funcionários Ana Maria Ferreira Domingues Leal, António Miguel Rodrigues de Oliveira, Delfina Costa Pereira, Jaquelina Freire Simões e Sérgio Paulo Marques dos Santos.

As Medalhas de Mérito Municipal — Empresarial foram atribuídas à rádio ABC Portugal, Carpintaria de São Bernardo, Jornal Notícias de Fátima, Restaurante “o Rito” e empresa de informática Trigénius.

Ana Sofia Costa recebeu a Medalha de Mérito Municipal — Desporto pela conquista da Medalha de Ouro na Taça do Mundo de Boccia (Centro de Apoio a Deficientes Profundos João Paulo II)). Foto: CMO

A António Pereira Marques, Avelino da Conceição Subtil, Joaquim dos Reis Gonçalves e José Manuel Henriques Ferreira de Oliveira (a título póstumo) foram atribuídas Medalhas de Mérito Municipal — Serviço Público.

A última homenageada a subir ao palco foi Ana Sofia Costa a quem foi atribuída a Medalha de Mérito Municipal — Desporto pela conquista da Medalha de Ouro na Taça do Mundo de Boccia (Centro de Apoio a Deficientes Profundos João Paulo II).

https://fb.watch/dMHcmKR-vh/

Em defesa de melhores acessibilidades e serviços de saúde

Na sua intervenção, o Presidente da Assembleia Municipal, João Moura, referiu-se aos homenageados, aos acordos de cooperação com as cidades de Ourém (Brasil) e Wadowice (Polónia), às obras de requalificação do castelo, aos planos de urbanização de Ourém e Fátima e, por fim, em jeito de recado à Secretária de Estado, falou em coesão territorial.

Neste ponto enfatizou as grandes dificuldades de acessibilidade a Fátima e a necessidade de novas infraestruturas rodoviárias para que a cidade se possa aproximar do resto do concelho e da região.

Outro desafio que deixou àquele membro do Governo foi a de uma aposta em Tancos como alternativa ao aeroporto de Lisboa e que serve as pretensões de Fátima, santuário mariano visitado anualmente por milhões de pessoas.

Críticas ao processo de transferência de competências

Também o Presidente da Câmara de Ourém aproveitou a presença da Secretária de Estado para abordar “algumas situações que se arrastam, sem soluções aparentes, mas com prejuízos evidentes”. Luís Albuquerque disse ser um defensor da descentralização de competências, mas apontou situações “que necessitam urgentemente de ser corrigidas”.

“Se na ação social e educação tudo decorreu com normalidade, fruto da grande articulação que existiu, apesar de na educação o saldo ser extremamente negativo em termos financeiros para o município, fruto do que apelidaria de “custos de proximidade”, já na saúde o processo está a ser, permita-me dizer, caótico”, desabafou o Presidente da Câmara.

Para o autarca, “a concretizar-se nos moldes em que está preconizado, trará evidentes prejuízos e constrangimentos para o município e especialmente para os utentes. O edil denunciou ainda o “problema da escassez de profissionais de saúde que continua a privar a maioria da população oureense de um médico de família”, cerca de 28%, que corresponde a mais de 13 mil utentes.

Em resposta, a Secretária de Estado do Desenvolvimento Regional disse que tomou “boa nota” das reivindicações dos autarcas oureenses.

“Muita obra feita” em Ourém

No seu discurso, Isabel Ferreira começou por questões mais genéricas sobre o desafio de se ultrapassar a dicotomia interior – litoral e de garantir a correção de assimetrias territoriais com vista ao desenvolvimento equilibrado de todo o país.

Destacou a importância da utilização dos fundos comunitários, nomeadamente através do novo programa Portugal 20-30, utilizando estratégias diferenciadas para cada sub-região consoante as suas necessidades.

No caso de Ourém, exemplificou com a obra de requalificação do Castelo e Paço dos Condes que representa “um investimento muito significativo de fundos europeus”, com impacto na promoção do turismo e como estímulo da economia regional.

“Há aqui muita obra feita”, afirmou, destacando os 17 projetos municipais aprovados em diferentes áreas, que representam 18,5 milhões de euros de investimento.

A governante referiu-se ainda aos investimentos empresariais no concelho cujos projetos financiados ascendem a 56 milhões de euros.

Na perspetiva de Isabel Ferreira, os fundos comunitários devem ser canalizados, cada vez mais para “componentes imateriais que fomentem o trabalho em rede, parcerias e a competitividade e não apenas nas questões infraestruturais”.

Requalificação do Castelo resultou num “tremendo sucesso”

As comemorações do Dia do Concelho de Ourém prosseguiram da parte da tarde com a cerimónia protocolar de inauguração da Reabilitação do Castelo de Ourém e Paço dos Condes de Ourém, isto apesar de o Castelo já ter reaberto as portas ao público em julho de 2021, cerca de dois anos depois de uma intervenção com financiamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional de 1.671.380,58 euros, e um investimento total a rondar os 2,1 milhões de euros.

Entre a comitiva na inauguração estavam o Presidente da Fundação Casa de Bragança, Alberto Ramalheira, e a Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Isabel Damasceno.

“Vivemos dias felizes, de alegria imensa, de orgulho no que é muito nosso”, disse o Presidente da Câmara, destacando a reabertura do monumento ao público, “devidamente reabilitado e de alma renovada, recuperando a dignidade perdida entre a erosão dos tempos e a inação do Homem”.

Após uma “empreitada complexa e minuciosa” que se prolongou por dois anos, “está à vista de todos o tremendo sucesso em que esta requalificação resultou”, exaltou o autarca.

Para Luís Albuquerque, “a tão ansiada reabilitação do Castelo e do Paço dos Condes, devolveu a Ourém e a Portugal, um monumento verdadeiramente icónico da arquitetura militar, um baluarte da história do nosso país, uma pérola deste nosso património milenar”, que se junta ao Santuário de Fátima, Praia Fluvial do Agroal ou o Monumento Natural das Pegadas dos Dinossáurios.

“A Vila Medieval de Ourém assume-se como um destino turístico de referência, contribuindo para o reforço da oferta da região e impulsionando a economia local e regional”, considerou.

Não esquecendo as críticas que foram feitas à intervenção no Castelo, o autarca frisou que aquele trabalho “foi realizado por profissionais altamente especializados”. Além disso, “não caíram do céu os dois prémios recentes com que esta obra foi distinguida”.

Referia-se Luís Albuquerque à Menção Honrosa, atribuída pelo júri Nacional de reabilitação Urbana, promovido pela Vida Imobiliária e pela Promivi e ainda do vencedor do prémio ibérico de arquitetura, na categoria de “interiorismo”, atribuído na 64.ª edição dos Prémios FAD 2022.

Cerimónia protocolar de inauguração da Reabilitação do Castelo de Ourém e Paço dos Condes de Ourém. Foto: CMO

Para marcar a inauguração, foi lançado o livro infantil “Princesas, rainhas e condes no Castelo de Ourém” da autoria de Vanda Furtado Marques, com ilustrações de Ana Isabel Lopes Mateus.

O dia 20 de junho marcou também o fecho da FeirOurém 2022, evento que, mesmo com entradas pagas, registou verdadeiras enchentes nos espetáculos musicais, nomeadamente no concerto de Tony Carreira, na véspera do feriado municipal, como as imagens atestam. Depois de dois anos de interregno, a FeirOurém promete regressar em 2023.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.