Grupo de refugiados acompanhados por uma anfitriã, junto à Câmara de Ourém . Foto: mediotejo.net

“Neste momento estimamos que teremos já cerca de 100 refugiados entre nós”, revelou o Presidente da Câmara de Ourém na tarde do dia 15 de março. Falando aos jornalistas à margem da conferência de imprensa de apresentação da FeirOurém, Luís Albuquerque adiantou que dessa centena, cerca de 50 pessoas já estão “alojadas ou em vias de estar alojadas nos apartamentos que o município disponibiliza, em apartamentos de privados e em instituições religiosas”.

O autarca admite, no entanto, que possam ir chegando mais refugiados ao concelho, até porque é aqui que se concentra a maior comunidade de ucranianos do distrito.

“Admitimos que possam existir mais (do que 100), porque chegam através das famílias que já estão sedeadas no concelho há alguns anos”, concretizou Luís Albuquerque.

Há 35 refugiados que esta semana estão em fase de alojamento no Santuário de Fátima, sendo previsível que esse processo se conclua no dia 16 de março.

Neste momento há quatro apartamentos de particulares ou de instituições ocupados por refugiados. “Felizmente temos tido alguns particulares que têm disponibilizado as suas habitações”, reconhece.

Para o Presidente da Câmara, “o concelho está a dar um sinal importante de solidariedade e de conforto a estas famílias que, pelas circunstâncias que estão a passar, chegam muito fragilizadas. Temos a obrigação de os receber e de os procurar integrar da melhor forma que podemos e sabemos”.

A autarquia continua a receber bens doados por cidadãos e instituições, sendo que alguns desses produtos estão a ser encaminhados para a Ucrânia e outros destinam-se às famílias que vão chegando, em alguns casos “só com a roupa no corpo, não trazem mais nada”, confirmou o presidente da câmara.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Se por acaso houver uma mãe solteira com filho eu possa ajudar dar estadia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.