Luís Albuquerque espera que Festival de Cinema possa abrir espaço ao turismo de eventos, potenciando a permanência em Fátima Foto: mediotejo.net

O Art&Tur – Festival Internacional de Cinema de Turismo vai organizar a sua próxima edição em Ourém, entre 25 e 28 de outubro. O evento foi anunciado na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), na quinta-feira, 17 de março, e vai estabelecer sinergias com a restante região do Médio Tejo. Entre as atividades do festival foi adiantada uma iniciativa que vai desafiar realizadores a filmar o território.

A apresentação do Art&Tur foi precedida da assinatura de um contrato-programa de cooperação estratégica entre a Centro Portugal Film Comission e a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo. O Festival vai decorrer em Ourém, mas o objetivo é que o seu programa integre também a restante região.

Este é um evento de “escala global”, conforme o definiu Francisco Dias, fundador e diretor do certame, que integra a CIFFT – Comité Internacional de Festivais de Cinema de Turismo. “O Festival potencia os destinos por onde passa e os filmes” que exige, salientou, explicando que a Art&Tur não tem uma “imagem de marca” porque todos os anos decorreu num local diferente, ao longo destes últimos 15 anos. Desta vez o contemplado foi Ourém, em rede com o Médio Tejo, uma novidade, reconheceu, em termos de formato.

O festival exibe e premeia desde filmes promocionais, documentais ou de televisão, recebendo 300 a 400 filmes de 40 a 60 países. O júri será constituído por 36 pessoas de 20 países diferentes. 

Dentro do programa do evento, adiantou, há o Art&Tur Factory, uma atividade que vai desafiar realizadores a fazer filmes turísticos da região. Segundo garantiu, a iniciativa teve bons resultados em edições anteriores.

Na sua intervenção, o presidente da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque, manifestou a sua satisfação pelo Festival ter optado pelo concelho, uma vez que as cidades escolhidas anteriormente eram de maior dimensão.

“Agradeço a confiança”, frisou, salientando que o município tudo fará para se mostrar à altura do desafio, ajudando a região a consolidar-se a nível turístico. Manifestou ainda o desejo que o Festival seja o “ponto de partida” para potenciar no concelho o turismo de eventos, aproveitando as infraestruturas que este dispõe e a facilidade de acesso, nomeadamente a Fátima.

Em declarações aos jornalistas, Luís Albuquerque admitiu que já há algum tempo que estava a tentar trazer o evento para o concelho. “Acompanhámos uma edição em Leiria, depois estivemos em Torres Vedras, Viseu e Aveiro. Percebemos que era um evento que poderia trazer mais valias para o concelho”, comentou. “É uma grande responsabilidade para nós”, admitiu.

 “É um evento que promove a região, por onde irão passar algumas curtas-metragens de todo o mundo, de pessoas da área do turismo”, resumiu. Esta é uma estratégia do município, que quer com estes eventos abrir uma porta também para o restante território, potenciando mais noites na cidade de Fátima. 

Cláudia Gameiro

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.