Centro histórico de Torres Novas. Foto: mediotejo.net

“Promover a digitalização e valorização do comércio e serviços, através de um projeto que privilegia a lógica digital, com vista a transformar e revigorar os modelos de negócio e a sua digitalização, bem como enriquecer e facilitar a experiência do consumidor por via de meios digitais”. É esta a intenção do Município de Torres Novas com a candidatura do “Projeto Vila” ao Programa Bairros Comerciais Digitais, promovido pela Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI).

Um projeto a implementar nos próximos cinco anos, caso mereça aprovação, com vista a antecipar uma resposta às dificuldades que se avizinham junto do comércio tradicional quanto ao fosso que tende a aumentar no que diz respeito à concorrência do comércio digital e online. Um investimento “nunca inferior a 1 milhão de euros”, afirmou Elvira Sequeira, vereadora da Câmara Municipal de Torres Novas.

Intervenção de um dos comerciantes presentes na sessão de apresentação do Programa Bairros Comerciais Digitais. Foto: mediotejo.net

Por forma a dar voz aos comerciantes locais e à população em geral, o Município promoveu na última terça-feira, uma sessão de apresentação e um debate sobre o Programa Bairros Comerciais Digitais, em que participaram cerca de uma dezena de comerciantes com negócio aberto no centro histórico.

A reunião foi presidida pela vereadora Elvira Sequeira, que se fez acompanhar pelo Chefe da Divisão de Tecnologias de Informação, Comunicação e Modernização Administrativa da autarquia, Mário Gil, e por dois representantes da consultora Skill Tech, especialista em soluções tecnológicas focadas na Administração Local e Regional, responsável pela elaboração da candidatura.

Comerciantes elogiam projeto digital, mas pedem urgência na reabilitação urbana e na criação de uma solução para a falta de estacionamento no Centro Histórico de Torres Novas

Depois de expostas as linhas gerais do projeto, foi dada a palavra aos presentes, na sua maioria comerciantes, que apesar de tecerem elogios à iniciativa, reconhecendo a sua importância para a revitalização do comércio local, apelaram à autarquia por uma resposta mais célere, (que não os cinco anos previstos para a conclusão do projeto agora apresentado), em relação a outras preocupações que não cabem totalmente naquela medida.

A questão da falta de lugares de estacionamento no Centro Histórico e a necessidade da reabilitação urbanística daquela zona, bem como a urgência de reforço da iluminação e sinalética a par da limpeza e embelezamento das ruas, foram algumas das questões sinalizadas pelos comerciantes.

“Vamos ter um bairro comercial digital muito bonito, mas depois as pessoas chegam aqui e apanham uma grande desilusão com o que vão encontrar. É preciso investimento em termos físicos e não só no digital”, notou uma das comerciantes presentes na reunião.

Em resposta, Elvira Sequeira reconheceu que “o estacionamento é efetivamente um problema” difícil de resolver uma vez que se torna complicado, pela sua geografia, criar bolsas de estacionamento dentro do centro histórico, porque as ruas são todas “muito apertadas”.

Ainda assim, fez referência a soluções digitais, previstas no “Projeto Vila”, que pretendem facilitar a vida a quem procura estacionar no centro histórico, como uma aplicação que permite saber a localização exata dos lugares de estacionamento existentes.

E, por outro lado, fez saber que, o projeto prevê 15 por cento do valor total para investimento físico, o que poderá contribuir para minorar as questões relacionadas com a sinalética, a reabilitação urbana, ou o embelezamento das ruas, por exemplo.

Durante a sessão foi explicado que o projeto incide em três eixos de intervenção, que serão executados por fases: implementação de soluções que permitam potenciar a criação de sinergias entre os comerciantes, prestadores de serviços, município e restantes membros do consórcio (eixo 1), revitalizar física e digitalmente o comércio no centro de Torres Novas, tornando-o atrativo para residentes e visitantes (eixo 2) e promover a sustentabilidade ambiental, social e financeira do Bairro Comercial Digital (eixo 3).

Quanto às mais-valias do Projeto para o tecido comercial local, foram sumariamente identificadas quatro grandes vantagens: “tornar o comércio local mais competitivo face à sua concorrência global e digital, promover os produtos endógenos e identitários de Torres Novas; aumentar a vitalidade e atratividade do centro histórico de Torres Novas e incentivar ao desenvolvimento sustentável urbano”.

Planta de delimitação do Bairro Comercial Digital de Torres Novas inerente à candidatura a apresentar. Créditos: CMTN

Refira-se que a entrega da candidatura do “Projeto Vila” à 1ª Fase (Manifestação de Interesse) foi apresentada pela CMTN – em consórcio com a ACIS (Associação Empresarial de Torres Novas, Entroncamento, Alcanena e Golegã), a ADIRN (Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte) e pela Nersant (Associação Empresarial do Distrito de Santarém) – a 29 de abril deste ano.

Seis meses depois, a 3 de outubro, foi comunicada a decisão de elegibilidade da candidatura apresentada, com uma pontuação de 4,9 (em 5 pontos possíveis) na fase de manifestação de interesse, sendo que pelo facto de ter sido submetida em consórcio, beneficiou automaticamente de uma majoração de 40 por cento.

“Atualmente, o projeto encontra-se a ser afinado e preparado para uma posterior submissão na 2ª fase de candidaturas”, que ainda não foi anunciada, pelo que é tempo de “obter os contributos de todas as partes interessadas, por forma a que sejam incluídos no projeto final a apresentar num futuro próximo.”

Sessão de apresentação do Projeto Vila – Bairros Comerciais Digitais – 27 de dezembro de 2022

Carla Paixão

Natural de Torres Novas, licenciada em jornalismo, apaixonada pelas palavras e pela escrita, encontrou na profissão que abraçou mais do que um ofício, uma forma de estar na vida, um estado de espírito e uma missão. Gosta de ouvir e de contar histórias e cumpre-se sempre que as linhas que escreve contribuem para dar voz a quem não a tem. Por natureza, gosta de fazer perguntas e de questionar certezas absolutas. Quanto ao projeto mais importante da sua vida, não tem dúvidas, são os dois filhos, a quem espera deixar como legado os valores da verdade, da justiça e da liberdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *