Número de eleitores baixou nos 13 concelhos do Médio Tejo. Foto: DR

A região do Médio Tejo perdeu 9.028 eleitores entre 2013 e 2017, segundo dados da responsabilidade do Ministério da Administração Interna publicados no Diário da República. Em todos os concelhos (Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha) foram registados decréscimos no que se refere ao número de eleitores inscritos.

Já entre 2009 e 2013 a região havia perdido 6.142 eleitores, o que perfaz 15.170 eleitores perdidos apenas em oito anos.

É nos concelhos de Abrantes e Tomar que se registam as maiores quebras. Abrantes viu reduzir de 35.125 para 33.272. E Tomar baixou de 37.281 para 35.448 em quatro anos, ou seja, perdeu 1.833 eleitores.

Entroncamento é o Município que mais conseguiu “segurar” os eleitores. Perdeu apenas 157, baixando de 17.237 para 17.080 no período em referência.

Ourém é o concelho do Médio Tejo com maior número de eleitores inscritos, 42.198, mesmo assim, menos 1.060 do que há quatro anos.

O concelho com mais estrangeiros que podem ir às urnas é Tomar, com 72, enquanto Constância tem apenas quatro cidadãos de outros países inscritos para votar.

O mapa com o número de eleitores inscritos no recenseamento eleitoral foi publicado no Diário da República de 17 de julho, dados com data de referência de 15 de junho e que serão utilizados nas eleições autárquicas de 1 de outubro.

A publicação discrimina os diferentes tipos de eleitores: Nacionais — cidadãos nacionais; UE — Cidadãos da União Europeia, não nacionais; ER — Outros cidadãos Estrangeiros Residentes em Portugal.

Número de eleitores no Médio Tejo

2013 2017
Abrantes 35.125 33.272
Alcanena 12.801 12.315
Constância 3.470 3.366
Entroncamento 17.237 17.080
Ferreira do Zêzere 7.928 7.425
Mação 6.893 6.342
Ourém 43.258 42.198
Sardoal 3.509 3.337
Sertã 14.831 13.899
Tomar 37.281 35.448
Torres Novas 32.509 31.555
Vila de Rei 2.972 2.767
Vila Nova da Barquinha 6.470 6.252
Total Médio Tejo  

224.284

 

215 256

Fonte: INE

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.