O crescimento de 19,09% no volume global das exportações na região do Médio Tejo em 2021, ainda não foi suficiente para se atingir o nível pré-pandemia de 2019, segundo um estudo da NERSANT – Associação Empresarial.

Nos concelhos do Médio Tejo, pertencentes ao Distrito de Santarém, as exportações ficaram 5,2% abaixo dos valores de 2019 (-48,2 milhões de euros). De 2020 para 2021 verificou-se uma recuperação, mas ainda não se atingiu os valores de 2019 (ver tabela).

No Médio Tejo, os concelhos que mais cresceram, em termos de faturação, Abrantes (38,1 milhões de euros), Ourém (30,2 milhões de euros) e Torres Novas (22,6 milhões de Euros). O concelho mais exportador foi Torres Novas, seguido de Abrantes.

Aliás, Torres Novas e Abrantes ocupam as 3ª e 4ª posições no ranking dos concelhos mais exportadores no distrito, seguidos de Constância, Alcanena e Ourém.

Na análise realizada pela NERSANT às exportações de 2021 no distrito de Santarém, comparativamente a 2020, verifica-se um crescimento de 16,7%, a que correspondem mais 279 milhões de euros. A nível nacional o crescimento foi de 17.14%.

Relação das exportações de 2019 a 2021 (Médio Tejo)

Região/Concelho

2019

2020

2021

Evolução

2021/2020

Médio Tejo

         923 522 381,00 € 

         734 979 695,00 € 

       875 297 331,00 € 

19,09%

Abrantes

         319 157 649,00 € 

         162 493 641,00 € 

       200 581 554,00 € 

23,44%

Alcanena

         109 185 299,00 € 

         103 550 269,00 € 

       118 398 357,00 € 

14,34%

Constância

         146 704 775,00 € 

         144 128 499,00 € 

       159 392 868,00 € 

10,59%

Entroncamento

           18 973 960,00 € 

           15 731 304,00 € 

         16 223 585,00 € 

3,13%

Ferreira do Zêzere

           16 510 155,00 € 

           23 985 765,00 € 

         38 512 886,00 € 

60,57%

Mação

               449 703,00 € 

               220 235,00 € 

             200 488,00 € 

-8,97%

Ourém

           94 106 233,00 € 

           84 415 265,00 € 

       114 625 886,00 € 

35,79%

Sardoal

                   3 513,00 € 

20,00 €

                 2 673,00 € 

13265,00%

Tomar

           23 853 907,00 € 

           21 537 511,00 € 

         25 328 903,00 € 

17,60%

Torres Novas

         194 244 926,00 € 

         178 779 981,00 € 

       201 401 827,00 € 

12,65%

Vila Nova da Barquinha

               332 261,00 € 

               137 205,00 € 

             628 304,00 € 

357,93%

Já nos concelhos da Lezíria do Tejo, pertencentes ao Distrito de Santarém, registou-se um crescimento de 14,82%, o volume global das exportações foi recorde desde que há registos e ultrapassou 222,4,7 milhões de euros (+26,1%) do valor pré-pandemia de 2019. Isto significa que o produto desta sub-região resistiu e cresceu no período pandémico.

Na Lezíria do Tejo, os concelhos que mais cresceram, em termos de faturação, foram Santarém (+90,2 milhões de euros), Benavente (+34,2 milhões de euros) e Rio Maior (+16 milhões de euros). O concelho mais exportador foi Benavente, seguido de Santarém.

Relação das exportações de 2019 a 2021 (Lezíria do Tejo)

Região/Concelho

2019

2020

2021

Evolução

2021/2020

Lezíria do Tejo

851 517 622,00 € 

 935 315 527,00 € 

    1 073 944 519,00 € 

14,82%

Almeirim

           29 186 897,00 € 

           27 744 671,00 € 

         29 801 170,00 € 

7,41%

Alpiarça

           78 216 163,00 € 

           76 586 100,00 € 

         71 243 937,00 € 

-6,98%

Benavente

         321 536 594,00 € 

         357 858 406,00 € 

       392 025 722,00 € 

9,55%

Cartaxo

           43 618 342,00 € 

           51 498 026,00 € 

         46 477 411,00 € 

-9,75%

Chamusca

             2 058 234,00 € 

             1 571 476,00 € 

          1 742 249,00 € 

10,87%

Coruche

           23 481 060,00 € 

           33 492 148,00 € 

         35 928 528,00 € 

7,27%

Golegã

             5 953 770,00 € 

             5 625 099,00 € 

          5 335 019,00 € 

-5,16%

Rio Maior

           94 963 122,00 € 

           87 288 318,00 € 

       103 327 278,00 € 

18,37%

Salvaterra de Magos

             6 466 727,00 € 

             3 789 619,00 € 

          8 035 710,00 € 

112,05%

Santarém

         246 036 713,00 € 

         289 861 664,00 € 

       380 027 495,00 € 

31,11%

Em termos globais, no Distrito de Santarém, o concelho de Benavente liderou nos últimos três anos, mas o concelho de Santarém aproxima-se da liderança. Os concelhos a seguir no ranking (Torres Novas, Abrantes e Constância), estão a alguma distância.

Ranking das exportações por concelhos em 2021

Concelho

Exportações

Crescimento

Crescimento

2021

%

Benavente

       392 025 722,00 € 

     34 167 316,00 € 

9,55%

Santarém

       380 027 495,00 € 

     90 165 831,00 € 

31,11%

Torres Novas

       201 401 827,00 € 

     22 621 846,00 € 

12,65%

Abrantes

       200 581 554,00 € 

     38 087 913,00 € 

23,44%

Constância

       159 392 868,00 € 

     15 264 369,00 € 

10,59%

Alcanena

       118 398 357,00 € 

     14 848 088,00 € 

14,34%

Ourém

       114 625 886,00 € 

     30 210 621,00 € 

35,79%

Rio Maior

       103 327 278,00 € 

     16 038 960,00 € 

18,37%

Alpiarça

         71 243 937,00 € 

–      5 342 163,00 € 

-6,98%

Cartaxo

         46 477 411,00 € 

–      5 020 615,00 € 

-9,75%

Ferreira do Zêzere

         38 512 886,00 € 

     14 527 121,00 € 

60,57%

Coruche

         35 928 528,00 € 

       2 436 380,00 € 

7,27%

Almeirim

         29 801 170,00 € 

       2 056 499,00 € 

7,41%

Tomar

         25 328 903,00 € 

       3 791 392,00 € 

17,60%

Entroncamento

         16 223 585,00 € 

          492 281,00 € 

3,13%

Salvaterra de Magos

          8 035 710,00 € 

       4 246 091,00 € 

112,05%

Golegã

          5 335 019,00 € 

–        290 080,00 € 

-5,16%

Chamusca

          1 742 249,00 € 

          170 773,00 € 

10,87%

Vila Nova da Barquinha

             628 304,00 € 

          491 099,00 € 

357,93%

Mação

             200 488,00 € 

–          19 747,00 € 

-8,97%

Sardoal

                 2 673,00 € 

             2 653,00 € 

13265,00%

O NERSANT Business 2022, que está a decorrer online de 21 a 25 de fevereiro, é um evento promovido por aquela associação empresarial com o objetivo de tornar a região “mais dinâmica e exportadora”. Participam mais de 160 importadores, de 62 países.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.