Maria do Céu Antunes deixou a presidência da Câmara Municipal de Abrantes há 4 anos para integrar o governo de António Costa. Fotografia: Presidência Portuguesa da União Europeia

Maria do Céu Antunes, natural de Abrantes, é um dos seis nomes que transitam do anterior Executivo, mantendo no XXIII Governo Constitucional a liderança do ministério que se designará “da Agricultura e Alimentação”, e que passa a agregar também as Pescas.

Nascida em 1970, é licenciada em Bioquímica e tem uma pós-graduação em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar. Foi presidente da Câmara Municipal de Abrantes entre 2009 e 2018 e presidiu ao Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo entre 2013 e 2018. Antes de ser nomeada ministra da Agricultura em 2019, foi secretária de Estado do Desenvolvimento Regional durante seis meses, no XXI Governo Constitucional.

No anterior governo, Maria do Céu Antunes destacou-se por ter conseguido fechar a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) durante a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, mas a forma como conduziu posteriormente o Plano Estratégico (PEPAC) tem sido alvo de críticas pelo setor. Em declarações à Lusa, chegou a admitir que “o calendário não foi o ideal”, ressalvando que tal não foi culpa do ministério ou da Presidência Portuguesa.

“A primeira proposta do regulamento foi apresentada em julho de 2018 e só em junho de 2021 é que conseguimos finalizar a reforma da PAC. Tivemos apenas de julho de 2021 a dezembro para concluirmos e apresentarmos o plano, sob pena de que, se não o fizéssemos, em janeiro de 2023 os agricultores podiam perder os apoios”, apontou.

Agora terá ainda de lidar com uma grave crise no setor, que reclama “medidas urgentes” que mitiguem o impacto da seca e da escalada dos custos de produção, agravados pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

A cientista Elvira Fortunato tem raízes familiares em Louriceira, Alcanena, onde os pais nasceram e onde passou parte da sua infância. Foto: CMA

Além de Maria do Céu Antunes, também Elvira Fortunato, nova ministra da Ciência, tem ligações à região do Médio Tejo. Os seus pais são naturais de Louriceira, no concelho de Alcanena, e a cientista, que no ano passado foi apontada para receber o Prémio Nobel da Física, recordou recentemente ao nosso jornal que era nos Olhos de água que passava férias quando era criança e que foi em Alcanena que adquiriu “o gosto pela liberdade de pensar”.

António Costa em Santarém, na campanha para as eleições legislativas. Foto: PS

Governo com mais mulheres, mais pequeno e mais peso político

O Executivo hoje apresentado por António Costa é o primeiro governo paritário em Portugal: em 18 ministros (incluindo o primeiro-ministro) há 9 mulheres: Ana Abrunhosa, Ana Catarina Mendes, Ana Mendes Godinho, Catarina Sarmento e Castro, Elvira Fortunato, Helena Carreiras, Marta Temido, Maria do Céu Antunes e Mariana Vieira da Silva.

O Ministério da Defesa tem também pela primeira vez uma mulher na liderança. Helena Carreira, 56 anos, que já tinha sido a primeira mulher a dirigir o Instituto da Defesa Nacional, é especialista em Sociologia na área militar e tem obra publicada sobre a integração de género nas Forças Armadas dos países da NATO.

Mariana Vieira da Silva passa a ser nº2 de um governo mais pequeno (com menos dois ministro e 12 secretários de Estado do que o anterior) e com mais peso político, com Costa a dar novas responsabilidades a figuras do Partido Socialista com quem tem relações de especial confiança, como Ana Catarina Mendes ou Fernando Medina.

É esta a composição do XXIII Governo Constitucional, tal como publicado esta noite no site da Presidência da República, que lhe dará posse na próxima semana, em data a anunciar:

Primeiro-Ministro
ANTÓNIO LUÍS SANTOS DA COSTA

Ministra da Presidência
MARIANA GUIMARÃES VIEIRA DA SILVA

Ministro dos Negócios Estrangeiros
JOÃO TITTERINGTON GOMES CRAVINHO

Ministra da Defesa Nacional
MARIA HELENA CHAVES CARREIRAS

Ministro da Administração Interna
JOSÉ LUÍS PEREIRA CARNEIRO

Ministra da Justiça
CATARINA TERESA ROLA SARMENTO E CASTRO

Ministro das Finanças
FERNANDO MEDINA MACIEL ALMEIDA CORREIA

Ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares
ANA CATARINA VEIGA DOS SANTOS MENDONÇA MENDES

Ministro da Economia e do Mar
ANTÓNIO JOSÉ DA COSTA SILVA

Ministro da Cultura
PEDRO ADÃO E SILVA CARDOSO PEREIRA

Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
ELVIRA MARIA CORREIA FORTUNATO

Ministro da Educação
JOÃO MIGUEL MARQUES DA COSTA

Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social
ANA MANUEL JERÓNIMO LOPES CORREIA MENDES GODINHO

Ministra da Saúde
MARTA ALEXANDRA FARTURA BRAGA TEMIDO DE ALMEIDA SIMÕES

Ministro do Ambiente e da Ação Climática
JOSÉ DUARTE PITEIRA RICA SILVESTRE CORDEIRO

Ministro das Infraestruturas e da Habitação
PEDRO NUNO DE OLIVEIRA SANTOS

Ministra da Coesão Territorial
ANA MARIA PEREIRA ABRUNHOSA TRIGUEIROS DE ARAGÃO

Ministra da Agricultura e da Alimentação
MARIA DO CÉU DE OLIVEIRA ANTUNES

Patrícia Fonseca

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *