Vasco Estrela, presidente da CM Mação. Foto arquivo: mediotejo.net

O concelho de Mação adere oficialmente à empresa Tejo Ambiente esta segunda-feira, dia 1 de junho, juntamente com os municípios de Sardoal, Vila Nova da Barquinha e Ferreira do Zêzere, juntando-se assim a Ourém e Tomar, os dois concelhos onde a empresa se estreou a 1 de janeiro e que detêm a sede e administração da empresa. Em Mação irá estar disponível uma loja de atendimento, à semelhança dos restantes concelhos.

Esta empresa intermunicipal passa a ser a responsável pela gestão dos Sistemas Públicos de Abastecimento de Água, de Saneamento de Águas Residuais e recolha de Resíduos Sólidos Urbanos indiferenciados nos seis concelhos aderentes, prevendo-se investimentos na casa dos 124 milhões de euros ao longo de 30 anos.

Sobre o tema, Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação e presidente da Assembleia Geral da empresa Tejo Ambiente, formalmente constituída a 1 de julho de 2019, diz esperar que “as coisas corram bem”, ainda que acredite que “as mudanças criam sempre ruído e nem sempre são bem apreendidos os objetivos das mesmas”.

“O nosso objetivo vai no sentido de melhorar os serviços que já prestamos, e mais do que isso, termos capacidade enquanto concelho, de vermos concretizados uma série de investimentos fundamentais nesta área, nomeadamente em termos do abastecimento de água e que não conseguiríamos fazer se fosse o município, sozinho, a ter essa responsabilidade. Pensamos que há aqui ganhos de escala importantes, através da empresa”, diz o autarca.

Vasco Estrela entende que “não haverá prejuízos para as pessoas”, salientando que existirá sim aumento da tarifa em cerca de 9%, mas que “não vai ser tão sentido quanto o de há dois anos “, quando a tarifa aumentou.

“Há também aqui uma responsabilidade de cada um no sentido de tentar poupar água o máximo possível, pagando também menos. Mas esta foi uma aposta que fizemos, no sentido de melhorar o serviço que já era prestado”, insiste.

A entrada na empresa, implica reestruturação e reafectação de trabalhadores, mas a CM Mação entende que se trata de “um passo importante para uma gestão deste serviço de forma integrada e inovadora, para oferecer ainda mais qualidade aos munícipes”.

O autarca entende que esta adesão à gestão partilhada foi necessária, uma vez que o concelho chegou a um ponto em que “as mais-valias que se podem obter são consideravelmente superiores aos prejuízos que possam vir a ser sentidos”, disse.

Vasco Estrela, presidente da CM Mação, entende que os “ganhos de escala” para o concelho com a adesão à empresa Tejo Ambiente são importantes, ajudando a que consiga cumprir com grandes investimentos que antes seriam impossíveis a autarquia suportar sozinha, nomeadamente remodelação de redes e otimização dos sistemas de abastecimento. Foto: mediotejo.net

Na mesma medida, frisa haver vantagens em termos de investimentos, aliviando a autarquia dos esforços com as viaturas da Câmara Municipal de Mação para recolha de RSU, remodelação de redes, iluminação dos mais de 40 pontos de captação de água que “é algo perfeitamente impensável e que nos trazia imensos problemas em termos analíticos de controle de qualidade da água e manutenção dos sistemas”, e também “o aproveitamento daquilo que pode ser feito através da Barragem das Corgas e de Castelo do Bode, onde já existem abastecimentos de água ao concelho de Mação, mas que poderão ser otimizados”.

“Tudo isto são investimentos muito pesados, que a CM Mação não tinha possibilidade de os fazer sozinha”, sublinha.

Por outro lado, Vasco Estrela lembra que Mação “é um dos concelhos do país com maior número de perdas de água”, ou seja, onde existe mais água que é consumida/desperdiçada e que não é faturada. “Também isto necessita de gestão mais profissional, mais cuidada e presente,  entendemos que uma empresa intermunicipal, exclusivamente para esta área, terá uma maior capacidade de fazer atingir todos os objetivos”, menciona.

A empresa terá uma Loja de atendimento em Mação, que abre ao público a 1 de junho, e se situa na Rua Comandante Manuel Marques, n.º 10 – C. O horário de atendimento será feito entre as 8h30 e as 15h30, com as devidas restrições amplamente anunciadas pela Direção Geral de Saúde, em virtude da pandemia de covid-19.

No concelho terá ainda um espaço cedido no estaleiro municipal, onde terá a sua oficina/armazém, e haverá um espaço arrendado pela autarquia para a empresa contratada SUMA, que irá assegurar a recolha de RSU no concelho.

A Tejo Ambiente tem por objetivo “privilegiar relações de confiança e inovação com os respetivos utilizadores, bem como serviços de forma mais eficiente e ambientalmente sustentada”.

A empresa tem um capital social de 600 mil euros e os municípios de Tomar e de Ourém detêm as maiores participações (com 35,63% e 32,37%, respetivamente), seguido de Mação (10,85%), Ferreira do Zêzere (7,94%), Vila Nova da Barquinha (7,63%) e Sardoal (5,58%).

Os municípios de Ourém e Tomar vão receber investimentos nas próximas décadas na ordem dos 33,8 e 33,4 ME, respetivamente, seguindo-se depois Mação (17,7 ME), Ferreira do Zêzere (13,5), Vila Nova da Barquinha (8,7 ME) e Sardoal (5,5 ME).

Joana Rita Santos

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.