No âmbito da pré-campanha para as eleições legislativas, António Filipe, o cabeça de lista da CDU por Santarém, esteve em Constância onde contactou com os trabalhadores do Caima e distribuiu a quem circulava na travessia sobre o Tejo as propostas para o distrito. Foto: mediotejo,net

No âmbito da pré-campanha para as eleições legislativas, António Filipe, cabeça de lista da CDU por Santarém, esteve em Constância onde contactou com os trabalhadores do Caima e distribuiu a quem circulava na travessia sobre o Tejo as propostas para o distrito, entre elas a reivindicação de melhores acessibilidades e de novas pontes sobre o rio Tejo.

Em declarações ao mediotejo.net, o atual deputado e cabeça de lista da CDU por Santarém, além do foco nacional no aumento geral dos salários e das pensões, destacou a falta de médicos de família na região, problemas ambientais há muito sinalizados na indústria dos curtumes, nos rios Tejo, Nabão, Alviela e Almonda, entre outros.

O candidato, a par da sua comitiva, distribuiu prospetos com propostas da CDU aos trabalhadores à saída da fábrica do Caima e a quem circulava na ponte sobre o Tejo, onde é proibida a circulação de pesados e condicionada por semáforos a passagem, que se efetua em sentido alternado, destacou ainda a importância da reposição das freguesias extintas e apelou ao voto tendo afirmado que “quanto mais força tiver a CDU na Assembleia da República, mais força terão as reivindicações populares desta região”.

CDU reivindica melhores acessibilidades e nova ponte em Constância. Foto: mediotejo.net

mediotejo.net – António Filipe, mais uma vez está na ponte da Praia a apresentar a reivindicação de uma nova travessia e a lembrar os constrangimentos que a atual situação provoca…

António Filipe – Aqui estamos hoje mais uma vez, neste local, que já foi local de tantas lutas, por uma ponte digna aqui no concelho de constância, sendo que, no outro lado da ponte, estamos no concelho de Barquinha, mas o essencial é que é a localidade de Constância que é separada a meio por esta travessia. Estamos aqui com uma comitiva da CDU, estão comigo a candidata Ana Paula Cruz, de Abrantes, a candidata Gisela Matias, da Chamusca, e viemos chamar à atenção precisamente para o problema das travessias do Tejo, particularmente na região do Médio Tejo mas também em parte na região da Lezíria.

Este é um dos grandes problemas do distrito em matéria de acessibilidades. Aqui, naturalmente, o concelho de Constância precisa de uma ponte nova, com esta dupla valência ferroviária e rodoviária. Esta foi uma ponte que esteve encerrada como sabemos há vários anos, e a solução encontrada não pode ser ainda uma solução definitiva. É uma ponte ainda muito precária, temos circulação de trânsito alternado, com proibição naturalmente a pesados, tendo em conta a deficiência e fragilidade estrutural desta ponte e, portanto, é preciso que haja aqui uma nova travessia do Tejo aqui nesta zona, que sirva aqui o concelho de Constância.

Este não é o único problema existente, há muitos anos que está prometida uma nova travessia do Tejo, e nós verificamos que há aqui vários estrangulamentos que precisam de ser resolvidos.

Para além deste, existe um estrangulamento muito grave que é a ponte que hoje liga os concelhos da Golegã e da Chamusca, a ponte João Joaquim Isidro dos Reis, sobre a qual existe uma resolução na Assembleia da República cuja base esteve numa iniciativa tomada pelo grupo parlamentar do PCP, conhecendo a prioridade de uma nova travessia do Tejo naquela zona e para além disso existe também uma situação de enorme precariedade mais a sul, que é a ponte Rainha D. Amélia, que liga os concelhos do Cartaxo a Salvaterra de Magos, numa daquelas pontes em que os automobilistas até têm receio de a atravessar.

São travessias muito antigas, e esta região, pelo trânsito que tem, particularmente de pesados, de ligação a grandes unidades industriais, ligação a uma importante unidade militar que é o Campo Militar de Santa Margarida, é inquestionável que, tendo em conta até a disponibilidade de fundos comunitários que tanto se apregoa, é necessário que as travessias necessárias do Tejo e particularmente da região do Médio Tejo sejam concretizadas. E foi precisamente para chamar a atenção para este ponto, que será também um ponto do nosso compromisso eleitoral, que estamos aqui hoje, precisamente num dos pontos-chave destas necessidades que é aqui a ponte de Praia do Ribatejo, que liga Constância ao concelho de Vila Nova da Barquinha.

Que outras medidas destaca em termos de preocupações da CDU e propostas para o distrito de Santarém?

É uma evidência que há propostas de âmbito nacional que são inteiramente aplicadas todas elas ao distrito de Santarém, como é evidente. Quando nós falamos da necessidade de um aumento geral dos salários e das pensões, evidentemente que estamos a falar para a população em geral. Agora há aqui alguns pontos que nós salientamos também no distrito de Santarém. Um deles tem que ver com a saúde, estamos numa região que tem dois importantes Centros Hospitalares, o Hospital Distrital de Santarém e o Centro Hospitalar do Médio Tejo, com os seus três polos, tem naturalmente os seus problemas, para os quais temos vindo a alertar, mas o problema mais grave que se vive no distrito de Santarém e em particular na região do Médio Tejo tem a ver com a falta de médicos de família. E aí a necessidade de se criar condições de fixação dos Médicos do serviço Nacional de Saúde particularmente para fazer face à necessidade das populações mais carenciadas e mais distantes dos grandes centros terem acesso a médico de família é uma questão prioritária e que tem uma particular incidência aqui nesta região.

Para além disso há alguns pontos que também chamamos a atenção que têm particularidades neste distrito que tem a ver com questões ambientais. Há zonas do distrito de Santarém que são particularmente flageladas – basta pensarmos no que se passa na situação de Alcanena, que não tem a ver apenas com o Alviela mas com a qualidade ambiental que decorre de problemas nunca resolvidos relacionados com a indústria dos curtumes – mas para além disso temos também vários focos de poluição nos rios que atravessam esta região, não apenas o Tejo mas também, e portanto a regularização dos caudais e a preservação da qualidade da água Tejo é fundamental, mas para além disso temos os focos de poluição do Nabão nunca resolvidos, temos os focos de poluição do Almonda, temos o problema do Alviela, temos o problema do Sorraia e portanto temos problemas que decorrem das suiniculturas, designadamente que afetam particularmente Rio Maior, e portanto há problemas ambientais específicos desta região que têm de ser encarados de frente e que não têm sido até agora.

CDU esteve em Constância a apresentar propostas para as legislativas de 30 de janeiro. Foto: mediotejo.net

Com estas legislativas vai voltar a falar do tema da desagregação de freguesias?

Nós nunca considerámos na CDU que esse assunto devia ser dado como arrumado e que deveríamos aceitar como facto consumado do que foi a extinção de muitas freguesias. E daí que, se tivessem sido aprovadas as propostas do PCP, elas já estariam repostas, não nestas eleições, mas já nas anteriores eleições autárquicas. Infelizmente o PSD e CDS que foram os autores da extinção das freguesias, opuseram-se à sua reposição e o Partido Socialista, embora na altura se tenha manifestado contra a extinção de freguesias, não apoiou a sua reposição quando ela já podia ter sido feita se tivessem sido aprovadas as propostas da CDU.

Nós não desistimos disso, há reivindicações justas das populações de reposição de freguesias em vários concelhos do distrito de Santarém. Tem havido um ativismo muito grande particularmente em algumas freguesias do concelho de Santarém, particularmente da antiga freguesia de Vaqueiros, mas também da antiga freguesia de Vale Figueira, e de outros concelhos, nomeadamente no Cartaxo, e a nossa posição é de que onde as autarquias se manifestaram contrárias à eliminação das freguesias deve ser criado um mecanismo de reposição. Não foi essa a solução adotada, em todo o caso existe agora uma nova legislação que deve ser aplicada e nós tudo faremos para que, de acordo com a vontade das populações, as freguesias sejam repostas, as muitas freguesias que foram extintas e com cuja extinção as populações, não só não beneficiaram coisa nenhuma, como foram de facto criados vários problemas às populações que do nosso ponto de vista devem ser resolvidos com a reposição das freguesias extintas.

No âmbito da pré-campanha para as eleições legislativas, António Filipe, o cabeça de lista da CDU por Santarém, esteve em Constância onde contactou com os trabalhadores do Caima e distribuiu a quem circulava na travessia sobre o Tejo as propostas para o distrito. Foto: mediotejo,net

O distrito vai eleger 9 deputados a 30 de janeiro, a CDU tem eleito um deputado por Santarém, António Filipe, que se recandidata como cabeça de lista, quais são as expectativas e a importância do voto na CDU para estas eleições?

Nós temos dito que a CDU não está condenada a ter só um deputado por Santarém, e, portanto, lutamos para que haja obviamente um objetivo mínimo, que é a reeleição de um deputado por Santarém, mas esse é o objetivo mínimo, porque nós temos uma ambição maior.

Nós lutamos para um reforço da votação da CDU, não perdendo de vista a possibilidade da eleição de mais deputados. E, portanto, pensamos que faz falta na Assembleia da República uma representação da CDU do distrito de Santarém, essa representação tem sido importante para a resolução de vários problemas destas populações e para levar à Assembleia da República as lutas das populações do distrito de Santarém e quanto mais força tiver a CDU na Assembleia da República, mais força terão as reivindicações populares desta região e é para isso que trabalhamos.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Sem pretender comentar, e muito menos criticar, a intervenção do deputado António Filipe, com a qual concordo na generalidade, permito-me dar a minha opinião acerca das pontes que fazem falta na região e Constância é uma delas. Porém, se o PRN fosse finalmente cumprido com a ligação do IC3 de Almeirim até à Atalaia (VNBarquinha) o problema das pontes ficaria minimizado e também a segurança do trânsito de matérias perigosas, diárias e constantes a caminho dos CIRVERs na Carregueira dentro de Almeirim, Alpiarça, Vale de Cavalos e Chamusca ficaria resolvido. Sou levado a pensar que esse troço do IC3 será feito quando acontecer uma desgraça dentro duma daqueas vila como foi resolvido o problema da Ponte de Entre Rios que não tinha manutenção por falta de dinheiro, mas quando caiu provocando a morte de largas dezenas de pessoas, logo apareceu dinheiro para uma Ponte Nova e também para a reconstrução da ponte Hintze Ribeiro que tinha caído. Portanto, que se acabe o IC3 e muitos problemas de trânsito e de segurança das populações ficarão resolvidos e já não é sem tempo. Ontem já era arde.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.