Fábrica da Mitsubishi Fuso anunciou reforço da produção, aumentos aos trabalhadores e produção neutra em CO2 em 2022. Foto: Filipe Amorim / Global Imagens

Apenas 9% das empresas do distrito de Santarém são indústrias, mas o setor lidera em volume de negócios (34%), numa região em que as empresas mais antigas são as que apresentam maior faturação, segundo dados da Iberinform.

Em comunicado divulgado hoje, a filial da Credito y Caución afirma que 4% das empresas portuguesas que apresentaram as suas contas em 2022 estão instaladas no distrito de Santarém, de forma “muito dispersa” pelos seus 21 concelhos, com Santarém a liderar (16%), seguida de Ourém (13%), Benavente (8%), Tomar e Torres Novas (7%), e Abrantes (6%), situando-se os restantes 43% nos outros 15 concelhos.

A distribuição das empresas por dimensão mostra que 87% são microempresas, as quais representam 13% do total do volume de negócios, perto de 12% são pequenas empresas (27% da faturação) e 1% são médias (25% da faturação).

“Embora quase não existam empresas de grande dimensão, estas lideram no valor de faturação, com um total de 35% do volume de negócios”, salienta o comunicado.

Os dados resultam da análise dos indicadores financeiros de 13.594 das 22.297 empresas existentes no distrito de Santarém, respeitando àquelas que têm balanço, disse fonte da Iberinform à Lusa.

Apesar de a indústria representar apenas 9% das empresas, o setor lidera o volume de negócios no distrito (34%), sendo que a área de serviços, a que tem maior representatividade (36%), apresenta apenas 7% do volume de negócios total.

“Os setores definidos como ‘Outros’ representam 30% do número de empresas e apresentam uma faturação de 43% do total do distrito, o que demonstra que os setores menos tradicionais na análise são muito relevantes para a economia de Santarém”, acrescenta.

Quanto à antiguidade das empresas, os dados mostram que 39% foram constituídas há mais de 16 anos, apresentando uma faturação de 72% do total de volume de negócios (50% nas criadas há mais de 25 anos e 22% nas que têm entre 16 e 25 anos).

A maioria das empresas foi constituída nos últimos 15 anos (51%), sendo a sua faturação de 28% (31% das empresas têm menos de cinco anos e faturação de 5% do total de volume de negócios, 18% têm entre seis e dez anos e 11% de faturação e 12% entre 11 e 15 anos e 12% de faturação).

“Podemos concluir que as empresas com um valor mais elevado de faturação são as que estão presentes nos respetivos setores há mais tempo”, refere a nota.

Os dados mostram que, em 2022, o número de processos de insolvência no distrito baixou 5%, comparando com 2021, e as dissoluções reduziram 15%.

Em contrapartida, foram constituídas 1.342 novas empresas, um aumento de 11% face a 2021, acrescenta.

Agência Lusa

Agência de Notícias de Portugal

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *