O presidente da Câmara de Ourém não tem dúvidas de que o incêndio que deflagrou na tarde de domingo, em Casal do Ribeiro, teve origem criminosa. Mais de 400 bombeiros combateram este incêndio até de manhã, a que seguiu outro foco, na tarde desta segunda-feira, obrigando os operacionais a voltar para o terreno. Foto: Pedro Nasper

“Isto dói, não é uma situação fácil”, disse o autarca, visivelmente emocionado e abatido com a sucessão de incêndios no seu território. Esta tarde, poucas horas depois do incêndio de domingo ter sido dado como dominado, deflagrou um outro incêndio com extrema violência em Formigal, na União de Freguesias de Matas e Cercal, que entrou em fase de resolução ao início da noite e que envolveu centenas de bombeiros nas operações de combate. Às 22h30 ainda estavam no terreno 379 bombeiros apoiados por 117 viaturas.

ÁUDIO | LUÍS ALBUQUERQUE, PRESIDENTE CM OURÉM:

Dado como dominado às 07h10 desta segunda feira, dia 1, o incêndio que deflagrou no domingo chegou a registar alguns reacendimentos mas prontamente atacados. No teatro das operações estiveram envolvidos 429 elementos, apoiados por 130 viaturas.

O presidente da Câmara referiu que o incêndio chegou a ter um perímetro de cerca de 10 km, de Casal Ribeiro à Ramalheira. Para dar uma ideia da rápida progressão das chamas, disse que, apenas numa hora o fogo progrediu mais de um quilómetro.

Ao final da noite de domingo foi possível circunscrever as chamas graças à chegada de mais meios e durante a noite os trabalhos continuaram até que, cerca das 7 da manhã, o fogo foi dado como “em resolução”, fruto do trabalho dos bombeiros e das máquinas de rastos que operaram durante toda a noite.

Já nesta segunda feira, cerca das 15h00, deflagrou mais um grande incêndio no Formigal que se propagou com violência para o lado da Urqueira, o que obrigou a deslocalizar os meios que estavam em Rio de Couros para este novo foco de incêndio.

Ao fim da tarde continuava a lavrar com alguma intensidade com três frentes ainda ativas. “As coisas estão a correr bem, vamos ver se antes da noite se conseguimos circunscrever sendo que o vento forte tem dificultado os trabalhos”, disse o autarca oureense. A situação mais favorável acabou por se confirmar, entrando o incêndio em fase de resolução cerca das 20h00.

O fumo intenso foi hoje sentido em pleno IC9 e chegou até Tomar e outras localidades do Médio Tejo. Por precaução, a autarquia de Ourém teve necessidade de evacuar no domingo a praia fluvial do Agroal, situação de interdição que se manteve esta segunda feira.  Também a festa no Carvalhal foi cancelada no domingo à noite devido à progressão das chamas.

Segundo Luís Albuquerque, os serviços sociais da câmara estão no terreno a acompanhar a situação e a eventual necessidade de realojamento de pessoas. O que o preocupa nesta altura é o grau de exaustão muito grande que os bombeiros estão a atingir, chamados a tantas solicitações.

O autarca defende que devem ser reforçados os meios de vigilância no terreno de modo a impedir a deflagração de mais incêndios, um trabalho voluntário que vai voltar a ser feito pelos escuteiros a partir deste mês de agosto.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Entre na conversa

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.