Centenas de pessoas participaram no sábado, dia 26, na IV Festa Campera organizada pelo grupo de dança Sevilhanas “Las Rocieras”, da Golegã, na Quinta de Miranda, Azinhaga.

Toureio a pé e a cavalo, treinos de forcados, fados, folclore e sevilhanas preencheram o programa durante todo o dia num ambiente “com muito salero e afición”, como realçou Rita Alcobia, do grupo organizador.

Las Rocieras em plena atuação (Foto: Rui Nabais)

Momento emocionante do dia foi a homenagem ao Marquês de Rio Maior, João Vicente Saldanha, proprietário do tentadeiro onde decorreu a festa. Para Rita Alcobia tratou-se de uma “justa e merecida homenagem”.

Manuel dos Santos, neto do matador com o mesmo nome, elogia a organização da festa que, “de ano para ano, traz cada vez mais gente de várias partes do Ribatejo e não só”.

“Já cheguei à idade de ter homenagens”, afirma bem-disposto o Marquês de Rio Maior com os seus 88 anos.

Refere que já não é ganadero há cerca de 30 anos mas mantém o tentadero “porque a população daqui adora isto”. Apesar da sua idade “já não ser para festas”, confessa que gosta de alinhar neste tipo de festas.

O grupo que organiza há quatro anos a Festa Campera é composto por 30 elementos e dedica-se à dança. O “Las Rocieras” iniciou atividade há seis anos e, só no ano passado, fizeram 46 atuações um pouco por todo o país. Atuam em casamentos, batizados, festas populares, clubes taurinos, entre outros eventos.

E a dança começa de tenra idade. As Las Rocieritas é o grupo de bailarinas dos dois anos aos seis anos. Outro grupo inclui elementos dos 16 aos 25 anos e dedica-se às Sevilhanas e ao Flamenco.

Por fim, têm outro grupo só de Sevilhanas, em que há elementos com mais de 65 anos.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.