Bonito cenário do Parque Fechado em Abrantes. Foto arquivo: mediotejo.net

Dividida em dois dias de competição e ligando Abrantes ao Gavião, a terceira prova do campeonato nacional TT 2018 levou mais de uma centena de equipas aos trilhos e pistas que integram também a mítica Baja de Portalegre.

Com três décadas de existência o Raid da Ferraria é uma das duas provas do calendário onde as categorias da Federação de Motociclismo de Portugal (motos, moto4 e SSV) competem em exclusivo e sem a companhia dos automóveis, tendo o clube organizador delineado para esta sua 31ª edição dois sectores selectivos, o primeiro com pouco menos de quatro dezenas de quilómetros realizado no sábado e o derradeiro com 86 quilómetros a ser utilizado por duas vezes no derradeiro dia de prova.

Uma prova que ficou marcada pela chuva e condições de piso muito exigentes e que levaram a um acréscimo de dificuldade para todos os pilotos que marcaram presença, entre eles alguns em posição de destaque, como Roberto Borrego, que regressou à caravana dos Moto4, ou Ricardo Porém, o campeão nacional TT em automóvel que fez a sua estreia nas motos.

MOTOS

António Maio
Yamaha WR450

Nas duas rodas António Maior atacou a liderança do pelotão logo no primeiro sector selectivo, que ligou o Rossio ao Sul do Tejo ao Gavião, começando a construir uma vantagem que cimentou no arranque do segundo dia e geriu na segunda passagem pelos 86 quilómetros do sector selectivo que preencheu o segundo e decisivo dia de competição.

A segunda posição ficou nas mãos de Luis Ferreira, o mais rápido no último sector selectivo para assegurar igualmente a vitória na classe TT3 na frente de Mário Patrão, o segundo no final do primeiro dia e líder inicial da classe.

QUADS

Beto Borrego
Yamaha YFZ450R

Nos moto4 o regressado Roberto Borrego foi o vencedor depois de assumir a primeira posição logo no primeiro dia de prova. O campeão nacional, e vencedor das duas rondas anteriores, Arnaldo Martins, foi o segundo classificado na frente de Filipe Martins, o ocupante da posição mais baixa do pódio.

SSV

João Monteiro-Manuel Pereira
Can-Am X3 XRS

Nos SSV o primeiro líder foi o ex-campeão nacional João Dias, que aqui estreou novos argumentos para discutir as vitórias, mas no primeiro sector do segundo dia João Monteiro assumiu o comando, posição que ficou mais segura quando João Dias teve problemas no derradeiro troço e viu as possibilidades de regressar ás vitórias perderem-se numa correia de transmissão partida. Pedro Santinho Mendes foi o segundo no final da competição na frente de Pedro Carvalho.

Desta forma António Maio e João Monteiro mantiveram a invencibilidade no campeonato, reforçando igualmente a liderança na tabela classificativa do CNTT.

Fonte: ORGANIZAÇÃO.

*Com David Pereira (fotos).

Jorge Santiago

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.