Jogo bem disputado na Sertã resultou num empate entre duas boas equipas. Foto: mediotejo.net

SERTANENSE FUTEBOL CLUBE 1 – CLUBE ATLÉTICO PÊRO PINHEIRO 1
Campeonato de Portugal – Apuramento Subida – Zona Sul – 1ª jornada
Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos em Sertã
20-03-2022

Depois duma época memorável onde alcançou o segundo lugar na sua série na fase regular, o Sertanense ganhou o direito a disputar a subida à Liga 3. Para isso, colocada na zona Sul, terá de se bater com emblemas e plantéis de peso. Nesta zona ficaram os históricos “Os Belenenses” e Olhanense para além dos açorianos do Fontinhas, dos algarvios do Moncarrapachense e os sintrenses do Pêro Pinheiro.

Povo mártir da Ucrânia sempre presente.

O pontapé de saída dos beirões aconteceu precisamente contra este Pêro Pinheiro, na Sertã, entre dois emblemas que apesar de serem considerados “outsiders” poderão ter uma palavra a dizer no que a contas finais diz respeito. Assumindo algum favoritismo, os sertaginenses começaram cedo a tentar construir um resultado favorável.

Logo no terceiro minuto, Muacir caiu na área surgindo as primeiras reclamações. Paulo Raposo não teve dúvidas e mandou jogar. Esteve bem. Com a jogada a prosseguir a bola voltou a Muacir que tentou o pontapé de bicicleta, sem sucesso.

Cruzamentos para a área dos sintrenses foi uma constante.

O Sertanense, apresentando um “desenho” habitual, conduzia o seu futebol pelas alas e com cruzamentos tentava servir as referências na área. Aos seis minutos, a equipa da casa beneficiou dum canto que foi cobrado atrasado para a entrada da área. Aí surgiu Mauro Santos a rematar por cima do travessão da baliza de Miguel Soares.

Com ocasiões repartidas e a bola a oscilar entre um e outro meio campo, o Sertanense dispôs de excelente ocasião para marcar aos 12 minutos. Rafa Pinto cruzou com boa conta para Muacir que chegou um pouco atrasado. Na resposta, Henrique Henriques rematou de longe e ganhou um canto.

O mesmo Henriques iria dar o melhor caminho, de cabeça, a um cruzamento da direita do seu ataque. De costas para a baliza cabeceou fora do alcance do guarda redes sertaginense, abrindo o marcador para a equipa visitante.

Henrique Henriques (10) marcou para o Pêro Pinheiro.

Com um elevado índice de aproveitamento, o Pêro Pinheiro adiantava-se no marcador ainda antes do quarto de hora de jogo. A equipa de Natan Costa pareceu acusar o golo, vacilou e a equipa que viajou do distrito de Lisboa cresceu no jogo. Logo após o golo, um centro remate de Francisco Bastos obrigou o guarda redes da casa a defesa apertada para canto. Voltou a tentar de meia distância mas desta feita não encontrou o alvo.

Entretanto Marco Fernandes, capitão do Sertanense, comete falta dura junto à lateral e viu o cartão amarelo. O livre, batido para a área, obrigou Daniel Azevedo a aplicar-se.
Na melhor fase do Pêro Pinheiro, Francisco Bastos acorreu a um cruzamento da direita e cabeceou para defesa do guarda redes da casa.

Boa dinâmica ofensiva das duas equipas.

A equipa do Sertanense voltou a “entrar” no jogo e começou a ter algum ascendente a partir do 24º minuto. Desailly cruzou e Rick tentou o pontapé de moinho sem sucesso.
No minuto seguinte a equipa da Sertã conseguiu contra atacar em vantagem numérica e Kevin Lopez rematou de forma precipitada. Ainda assim ganhou um canto.

Pouco depois Muacir conseguiu, em esforço, enquadrar-se com a baliza à entrada da área. Em desequilíbrio o remate saiu fraco para defesa fácil do guarda redes sintrense.

Avançados perdulários.

Depois de alguma acalmia o Sertanense voltou à carga a partir dos 32 minutos. Num contra ataque bem executado, Rick esgueirou-se e quando se preparava para invadir a área foi rasteirado por Fábio Graça que viu o cartão amarelo. Na conversão do livre a bola ganhou altura e perdeu-se para lá da linha de fundo.

Dois minutos volvidos o Pêro Pinheiro respondeu com um “venenoso” cruzamento que obrigou o angolano Ibouka a ceder canto. À passagem do minuto 37, Muacir voltou a testar o guarda redes Miguel Soares. A cabeçada saiu fácil para Soares que amarrou a bola.

Apesar do volume ofensivo o Sertanense não marcava.

Muacir era o jogador que mais dava nas vistas na equipa de Natan Costa. Aos 39 minutos surgiu na ala esquerda, derivou para o interior em poderosa diagonal, trabalhou sobre o marcador direto, Vado, e o remate foi desviado para o guarda redes. Bom apontamento do luso-angolano.

Perto do intervalo O colombiano Kevin Lopez arriscou da meia distância e o remate, desviado num defensor traiu o guarda redes e passou muito perto das redes.

Com o tempo regulamentar esgotado uma perda de bola na defesa da equipa da casa permitiu o remate a Henrique Henriques que, com apenas o guarda redes pela frente, enjeitou a possibilidade de bisar. Atirou ao lado…

Perigosos os contra ataques dos visitantes.

Pouco depois Paulo Raposo apitou para o descanso deixando um amargo de boca nos sertaginenses. Foi a equipa mais atacante mas só se pode queixar da falta de eficácia dos seus atletas.

O Pêro Pinheiro aproveitou uma das raras ocasiões para marcar podendo ampliar a vantagem ao cair do pano. Com tudo em aberto, aguardava-se uma segunda parte empolgante.

Tudo em aberto para o segundo tempo.

As equipas regressaram sem alterações mas dispostas a discutir o jogo até ao final, com a chuva fina e gelada que caiu durante largos minutos do primeiro tempo a dar tréguas.

O recomeço trouxe um enorme susto às hoste sertaginenses. Um cruzamento largo viu o guarda redes Daniel Azevedo a falhar a interceção. Henrique Henriques também não conseguiu o desvio e valeu, na circunstância, Ibouka a cortar para canto. O minuto 48 podia ter sentenciado o jogo.

Uma falta a meio campo do capitão Marco Fernandes, já “amarelado”, levou Paulo Raposo a ir ao bolso e a exibir-lhe o segundo amarelo, ficando o Sertanense a jogar em inferioridade numérica com muito tempo para o final.

Falta a meio campo deixou o sertanense com menos um.

Aos 55 minutos, Muacir, inconformado, entrou na área, disputou a bola com Vado e este derrubou o sertaginense. Paulo Raposo apontou a marca dos onze metros.

Encarregue da marcação, Matheus Barbosa bateu de forma a permitir a defesa de Miguel Soares. Na recarga Matheus Barbosa acabou mesmo por marcar, empatando o jogo. O Sertanense, após tanto porfiar, alcançou o golo quando jogava em inferioridade numérica.

Na recarga Matheus Barbosa bateu o guarda redes.

Com o jogo empatado pensou-se que o Pêro Pinheiro iria carregar aproveitando o fato de ter mais uma unidade. Mas não. O jogo ganhou contornos de equilíbrio, podendo a sorte do jogo pender para qualquer um dos lados.

À hora de jogo, o Sertanense ganhou um canto que a defensiva dos sintrenses afastou para novo cruzamento da direita para a cabeça de Rick. Saiu ao lado da baliza. Com o equilíbrio instalado, jogou-se mais sobre o meio campo e foi necessário esperar dez minutos para ver outra oportunidade de golo. Ibouka falhou a interceção e Henrique Henriques, na cara do desamparado Daniel Azevedo, rematou ao lado.

Falhas defensivas criaram calafrios.

Volvidos três minutos, Ibouka viu-se obrigado a travar um avançado visitante de forma ilegal. O livre, batido em zona frontal, descaído para a direita, à entrada da área, foi diretamente para fora. A dez minutos do tempo regulamentar expirar, um cruzamento da direita viu Bernardo Fortunato simular, deixando para Muacir. Este rematou contra um adversário, ganhando um canto. Logo a seguir Muacir rematou contra a cortina defensiva do Pêro Pinheiro.

Com o tempo esgotado e as equipas também, o árbitro concedeu cinco minutos a título de compensação. No último deles, Karamoko lançou a transição rápida dum colega que acabou por chocar com o guarda redes. Paulo Raposo deu o jogo como terminado.

Empate aceitável.

Jogo bem conseguido pelo Sertanense, com cruzamentos bem medidos mas com ineficácia ofensiva no último terço do campo. Aproveitou o Pêro Pinheiro com uma equipa a praticar bom futebol deixando a certeza que esta fase irá ser muito bem disputada entre as seis equipas em competição neste grupo.

A equipa de arbitragem da Associação de Futebol de Santarém, chefiada por Paulo Raposo, esteve ao seu nível. Globalmente bem, pareceu rigoroso na expulsão de Marco Fernandes, decidiu os lances delicados de modo a não deixar dúvidas. Boa arbitragem.

Boa arbitragem.

Ficha do Jogo:

SERTANENSE FUTEBOL CLUBE:
Daniel Azevedo, Desailly, Marco Fernandes, Luís Martins, Kevin Ibouka, Matheus Barbosa, Kevin Lopez, Mauro Santos, Rafa Pinto (Bernardo Fortunato), Muacir (Nicolas Meek) e Rick (Karamoko).
Suplentes não utilizados: Pedro Simões, Diogo Pimenta, Rúben Moura e David Branco.
Treinador: Natan Costa.

Sertanense Futebol Clube.

CLUBE ATLÉTICO PÊRO PINHEIRO.
Miguel Soares, Fábio Graça (Mica Simão), Vado (Toni), Rafa Gonzalez, Alef, Henrique Henriques, João Hilário, Tomás Martins (Tiago Luís), Cláudio Anjos, Francisco Bastos (Diogo Miguel e Chiquinho.
Suplentes não utilizados: Pedro Gouveia, Tomás Loureiro e Diogo Ferreira.
Treinador: Hélder Ferreira.

Clube Atlético Pêro Pinheiro.

GOLOS:
Matheus Barbosa (Sertanense) e Henrique Henriques (Pero Pinheiro).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Paulo Raposo, Pedro Freire e Adelino Crespo (AF Santarém).

Equipa de arbitragem: Paulo Raposo, Adelino Crespo e Pedro Freire com os capitães.

No final fomos ouvir os técnicos de ambas as equipas:

NATAN COSTA (Sertanense)

Natan Costa-Treinador do Sertanense. Foto: Arquivo mediotejo.net

HÉLDER FERREIRA (Pêro Pinheiro)

Hélder Ferreira, treinador do Pêro Pinheiro.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Jorge Santiago

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.