Nem em lances de bola parada a equipa da casa conseguia chegar ao golo. O Sentieiras acabou por vencer por 1-2. Foto: mediotejo.net

A. M. F. ALVEGA 1 – C. P. C. D. de SENTIEIRAS 2

Campeonato Distrital de Santarém do Inatel – 2ª fase / Grupo A1 / 3ª jornada

Campo Dr. Armando Matafome – Alvega

10-02-2019

Cinco minutos bastaram às Sentieiras para abrir o marcador.

Com uma boa entrada na partida, o conjunto de Sentieiras adiantou-se no marcador logo aos 5 minutos por intermédio de José Santos. Na sequência de um pontapé de canto do lado direito do seu ataque, Hélder Carboila não consegue o remate certeiro mas o ligeiro toque que deu na bola foi o suficiente para a mesma encontrar José Santos que, livre de qualquer marcação, fez o mais fácil que foi empurrar para o fundo das redes da baliza da equipa da casa.

Após o minuto 12, o Alvega equilibra a partida abeirando-se da baliza adversária por diversas vezes.

A formação de Alvega começou a esboçar a reacção e, aos 12 minutos, com uma intervenção difícil, Ricardo Pereira nega o tento do empate. Cinco minutos volvidos reclamou-se grande penalidade na área das Sentieiras, mas Paulo Neves mandou seguir sem qualquer sanção. Os homens da casa tomavam conta do jogo à medida que este se ia desenrolando. Aos 18 minutos é David Silva que, na cara do guardião sentieirense, desperdiça mais uma soberana ocasião para igualar.

Jogar bem não chegou para o Alvega arrecadar os três pontos que viajaram para Sentieiras.

À passagem da meia hora, é David Almeida que dá continuidade às chances perdidas pelo Alvega que merecia ir para o descanso com outro resultado. Os forasteiros (com muitas alterações na equipa habitual fruto das muitas lesões que têm afectado o plantel) iam segurando a vantagem como podiam até ao apito de Paulo Neves a indicar o intervalo.

O segundo tempo trouxe mais do mesmo mas os locais demoravam a chegar ao golo.

O segundo tempo foi mais do mesmo com os homens de Alvega a tentarem, tudo por tudo, para chegar cedo ao golo do empate. Miguel Ângelo, aos 6 e aos 17 minutos viu pelas duas ocasiões a bola bater no ferro da baliza de Ricardo Pereira que, também, por um par de ocasiões, respondeu positivamente aos remates dos homens de Alvega. O jogo era de sentido único até que a cinco minutos do final a formação da casa chegou ao empate bastante procurado. Pontapé livre marcado de forma rápida e Santana, ao segundo poste, mais lesto que os adversários, fez o mais que merecido empate.

Ainda com muito pulmão, Santana empata o jogo a cinco minutos do fim.

Contudo a festa do Alvega ficou estragada menos de dois minutos depois. Numa das poucas investidas das Sentieiras no segundo tempo, Gonçalo Santos foge à marcação e desfere um remate potente sem hipóteses de defesa para Tiago Mendes.

Um balde de água bem gelada em cima da chuva que caiu ao longo de toda a partida. A partir desse momento (e apesar dos 7 minutos de descontos concedidos pelo trio de arbitragem) pouco se jogou com Paulo Neves a fechar a partida onde as Sentieiras conseguiram uma vitória feliz para descontentamento do Alvega que não poderá desperdiçar tanto face ao produzido nos jogos que restam do campeonato.

Vitória feliz das Sentieiras que se mantém na luta pelos objectivos traçados.

FICHA DO JOGO:

A. M. F. ALVEGA:
Tiago Mendes, Vitor Lúcio, Tiago Barão, Santana, Jorge Guerreiro (cap.), David Almeida, João Farinha, Miguel Ângelo, Luís Barão, David Silva e Pedro Santos.

Suplentes: Francisco Barão, Duarte Calado, Pedro Rodrigues, João Almeida, Fábio Marques, Eduardo Catarrinho e Diogo Delgado.

Treinador: Miguel Ângelo.

C. P. C. D. SENTIEIRAS:

Ricardo Pereira, João Henriques, Hélder Carboila, Vasco Lopes, José Santos, Martelo, Gonçalo Santos, Diogo Batista, Mário Rodrigues (cap.), Tiago Leitão e Daniel Coelho.

Suplentes: Bernardo, André Alves, Fábio Navalho, Fred e Filipe Rodrigues.

Treinador: Carlos Rodrigues.

GOLOS:
Santana (Alvega); José Santos e Gonçalo Santos (Sentieiras).

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Paulo Neves, João António e António Henriques.

No final da partida, ouvimos os técnicos de ambas as formações com sentimentos diferentes e com algumas queixas:

Miguel Ângelo, jogador / treinador da A. M. F. de Alvega.
Carlos Rodrigues, treinador do C. P. C. D. de Sentieiras.

José Belém

A grande “culpada” é uma velhinha máquina de escrever Royal esquecida lá por casa e que me “infectou” para uma vida que se revelou mais tarde não fazer sentido sem o jornalismo. O primeiro boletim da paróquia e o primeiro jornal da pequena aldeia onde frequentava a escola (tinha apenas 7 anos de idade) entranharam-me a alma (e o sangue) deste “vício” de escrever e comunicar. Seguiram-se os pequenos jornais de turma, os das escolas, os painéis informativos colocados nas paredes dos átrios e o dos escuteiros... e nunca mais o “vício” sarou. Ao longo da vida, foram vários e diversificados os ofícios exercidos profissionalmente, mas o “mar dos desejos” desaguava sempre numa folha de papel ou (mais tarde) num portátil de computador (e sempre com a máquina fotográfica como companhia). Já mais "a sério” e desde jornais regionais, rádios locais, periódicos nacionais e televisão (TVI), já são mais de 45 anos de um percurso “académico” de alguém que pouco se importa de não possuir um “canudo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *