Festa da Taça em Alcaravela.

GRUPO DESPORTIVO E RECREATIVO DE CARVOEIRO 0 – JUVENTUDE UNIAO FIGUEIRENSE 0 (1-4 nas penalidades)
Taça Fundação Inatel – Final
Campo de Santa Clara em Alcaravela
15-05-2022

As provas organizadas pela Fundação Inatel são verdadeiras demonstrações de envolvimento popular resultando em grandes jornadas de convívio entre os adeptos dos emblemas envolvidos. A final da Taça não foi exceção. Marcada para o Campo de Santa Clara, em Alcaravela (Sardoal), juntou uma equipa do norte do distrito, o Carvoeiro, de Mação, e outra do extremo sul, o Figueirense, do concelho de Coruche.

A povoação de Carvoeiro apresentou-se em força, ocupando toda a bancada central, e tinha em José Henriques, o “Diabo Amarelo”, auto denominado “o melhor cortador de presunto” de Mação, município que é a Catedral do Presunto, a sua figura em maior destaque.

O “Diabo Amarelo presente servindo presunto aos adeptos.

A pintar a bancada de topo de preto e amarelo estavam os adepto, em grande número, do Juventude Figueirense. Da freguesia da Branca saíram dois autocarros e inúmeras viaturas particulares com adeptos crentes na conquista do troféu em disputa.

Destaque para duas adeptas fervorosas, Ana Rita e Marisa Sousa, incansáveis no registo fotográfico dos momentos para mais tarde recordar. Numa festa de matriz popular, os eleitos do povo não podiam faltar e pode ver-se em convívio os autarcas Francisco Oliveira, de Coruche, Vasco Estrela, de Mação, além do anfitrião, Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal.

Adeptos em apoio do Figueirense.

Assim que o veterano árbitro Paulo Neves apitou para dar início à “peleja”, cedo se percebeu que a equipa de Simão Fortio, fiel ao seu sistema tático, tinha muito maior dificuldade de adaptação ao pelado do campo de Alcaravela, ligeiramente amaciado pelas pingas de chuva da manhã.

A equipa do Carvoeiro, a jogar de vermelho, cómoda com o piso pois joga e treina em pelado, optou pelo futebol mais direto tentando surpreender com a velocidade dos seu alas. Com a defensiva sulista em tarde de acerto, a tarefa de chegar à baliza de Chico, a fazer a despedida como jogador, revelava-se tarefa árdua.

Equipas com dificuldade de progressão.

O primeiro sinal de perigo foi junto à baliza de Leo, aos seis minutos de jogo. A Juventude Figueirense desenhou boa transição e o cruzamento da ala esquerda encontrou Bexiga em boa posição. A cabeçada passou muito perto do poste.

Minutos depois nova vaga de ataque do Figueirense, com Diogo a tomar a iniciativa individual e a conduzir o esférico até à área do Carvoeiro rematando contra a cortina defensiva. Com os coruchenses mais atacantes a resposta chegou aos 11 minutos através dum livre. A cabeçada de Fábio Santos saiu fraca para defesa fácil de Chico.

Bolas paradas eram mais uma opção.

Voltaram à carga os maçaenses mas o remate de Barata, descaído pela direita, passou muito ao lado e perdeu-se pela linha de fundo. Ao quarto de hora de jogo, Franklim teve uma entrada dura sobre um adversário levando Paulo Neves à amostragem do cartão amarelo.

Na transformação do livre Bruno Antunes rematou ao lado, muito perto do poste direito de Chico que se limitou a controlar a trajetória do esférico. Na resposta, Franklim ensaiou um remate da meia distância levando o esférico a passar perto dos ferros da baliza de Leo. Ainda se gritou golo…

Figueirense tentou da meia distância.

Com o jogo em toada de equilíbrio, já com 23 minutos de jogo, Santinho subiu até ao meio campo do Carvoeiro e sem preparação tentou surpreender com um remate de meia distância. Não passou longe da baliza de Leo. Foi necessário esperar cinco minutos para que a bola voltasse a rondar a baliza de Leo.

Um livre, em zona frontal, cobrado por Franklim, voltou a ficar na barreira formada pelos “encarnados”. Aos 35 minutos o Figueirense conseguiu uma transição rápida com vantagem numérica. Diogo dominou na perfeição com o pé direito e rematou com o esquerdo com a bola ganhar altura e a sair pelos fundos. Não terá sido a melhor opção já que tinha à sua direita dois colegas sem marcação.

Desperdício manteve o nulo.

O jogo aproximava-se rapidamente do intervalo sem que se vislumbrasse uma forma do marcador sofrer qualquer alteração. Aos 38 minutos, Tiago Veríssimo rematou longe da baliza de Leo e na resposta o Carvoeiro isolou Barata na cara do guarda redes. Chico levou a melhor, garantindo a inviolabilidade da sua baliza.

Já com Paulo Neves a proceder a justificado desconto, um cruzamento para a área do Figueirense levou perigo. A jogada foi anulada por entrada faltosa na área de proteção do guarda redes.

Carvoeiro incomodou Chico mesmo em cima do descanso.

Pouco depois o juiz da partida decretou o descanso dando início a uma verdadeira corrida aos bares de grande parte dos espetadores. Resultado aceitável ao intervalo já que nenhum dos conjuntos se superiorizou. A jogarem de formas diferentes na zona de construção, as equipas viram as defesas superiorizarem-se aos ataques, deixando tudo em aberto para o segundo tempo.

Intervalo serviu para “curar mazelas”…

No recomeço cedo se percebeu que pouca coisa iria mudar acreditando ambos os técnicos nos seus esquemas táticos. O equilíbrio manteve-se com alternância de ataques pouco produtivos. A dificuldade de progressão obrigava ao uso da meia distância.

Foi o que fez Santinho, aos 48 minutos, subindo pela ala direita e rematando de muito longe. O guarda redes do Carvoeiro, Leo, não se deixou surpreender e defendeu sem dificuldade.

Toada de equilíbrio a manter-se no segundo tempo.

Dois minutos depois Leo foi impotente para travar o remate de Tiago Veríssimo mas o golo foi invalidado por posição irregular do jogador figueirense. Leo começava a denotar nervosismo respondendo a provocações e Paulo Neves tentou “por água na fervura” exibindo-lhe o cartão amarelo.

Aos 53 minutos um livre frontal para a equipa de Fazendas das Figueiras levou Praia para a cobrança. Mais uma vez a bola não ultrapassou a barreira e após alguns ressaltos a defesa carvoeirense completou o alívio.

Golo anulado por fora de jogo.

À passagem do quarto de hora do complemento, sem golos à vista, Miguel Pina rematou e a defensiva do Figueirense cedeu canto. Na cobrança Chico saltou mais alto e “amarrou” o esférico.

Três minutos depois a baliza de Leo voltou a ser ameaçada, novamente através duma bola parada. Após a cobrança dum canto Bexiga cabeceou muito perto do poste da baliza do jovem guarda redes do Carvoeiro.

Com o final do jogo a aproximar-se rapidamente sem que as equipas conseguissem chegar ao golo a prioridade passou por não sofrer. Um golo nesta altura deitaria tudo a perder…

O nulo ia prevalecendo.

Aos 76 minutos o Figueirense voltou a beneficiar de um livre frontal e de novo o esférico embateu na cortina defensiva. Reclamou-se uma suposta “mão” mas Paulo Neves, bem colocado, nada assinalou e mandou jogar.

Com várias paragens para assistência a atletas “tocados” o árbitro concedeu mais seis minutos a título compensatório. No último deles Bruno Antunes caiu na área do Figueirense em luta com Tiago Veríssimo e Paulo Neves apitou mas para dar o jogo por terminado.

Boa arbitragem de Paulo Neves, um “jovem” de 61 anos!!!

Com ambas as equipas a serem penalizadas pela ineficácia ofensiva o nulo prevaleceu e a discussão da Taça Fundação Inatel desta época, após uma ausência de dois anos, iria ser resolvida da marca dos onzes metros.
Pelo Figueirense marcaram Franklim, Alex, Praia e Lino.

Pelo lado do Carvoeiro apenas concretizou Bruno Antunes com o emblemático Chico a fazer uma despedida de sonho ao defender, como é seu timbre, duas grandes penalidades.

Despedida de sonho para o guarda redes Chico.

Uma palavra de apreço para a equipa de Alexandre Marques, o Carvoeiro, que, em ano de regresso ao Inatel, conseguiu chegar à final da Taça e ainda vai disputar a meia final da Série 2. Grande desempenho. A equipa de Fazendas das Figueiras venceu nas grandes penalidades sucedendo aos seus vizinhos, o Montinhos dos Pegos, ficando o troféu de novo no concelho de Coruche. Boa arbitragem da equipa liderada por Paulo Neves.

O final da tarde ficou marcado pelo saudável convívio entre os adeptos após a entrega dos troféus, marcado pelo “fair play”. Organização exemplar do Grupo Desportivo de Alcaravela.

Festa do Figueirense em Alcaravela.

Ficha do Jogo:

GRUPO DESPORTIVO E RECREATIVO DE CARVOEIRO:
Leo, Filipe Rocha, Miguel Pina, Fábio Santos, Francisco Fonseca, Bruno Antunes, Ricardo Alves, João Ricardo, Barata, João Filipe e Jorginho.
Suplentes: Tiago Pereira, Pika, Maycon, David Dias, Ricardo Dias, Bruno Martins e Miguel Taborda.
Treinador: Alexandre Marques.

Grupo Desportivo e Recreativo de Carvoeiro.

JUVENTUDE UNIAO FIGUEIRENSE:
Chico, Santinho, Franklim, Diogo, Bexiga, Alex, Rafa, Mira, Tiago Veríssimo, Praia e Rui Carvalho.
Suplentes: Rúben, Formiga, Rochinha, Teixeira, Lino, Cacheta e David.
Treinador: Simão Fortio.

Juventude União Figueirense.

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
Paulo Neves, Pedro Mateus e Tiago Vicente.
António Nunes (4º árbitro).

Equipa de Arbitragem: Paulo Neves, Pedro Mateus, Tiago Vicente e António Nunes com os capitães.

No final fomos ouvir os técnicos de ambas as equipas:
ALEXANDRE MARQUES (Carvoeiro):

Alexandre Marques, treinador do Carvoeiro.

SIMÃO FORTIO (Figueirense):

Simão Fortio, treinador do Figueirense.

FOTOGALERIA:

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Jorge Santiago

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

Entre na conversa

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *