A Festa dos Tabuleiros é candidata a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO. Foto: Joana Rita Santos/mediotejo.net

O Complexo Cultural da Levada de Tomar vai receber, entre 15 de julho e 2 de agosto, a exposição “A Festa dos Tabuleiros, o Património Cultural e a Comunidade”, a qual resulta de um projeto em curso entre o Município de Tomar e o Techn&Art, Centro de Tecnologia, Restauro e Valorização das Artes do Instituto Politécnico de Tomar.

A exposição, de entrada gratuita e dirigida à comunidade local e aos turistas, vai possibilitar aos visitantes saber mais sobre os diferentes ciclos históricos da Festa dos Tabuleiros, o Património que lhe está associado e as diferentes formas de participação da comunidade neste que é o mais importante festejo do concelho nabantino e um dos maiores a nível nacional.

Em informação municipal complementa-se ainda que com a mostra será igualmente possível ficar a conhecer objetos realizados durante as diferentes formações, ministradas no âmbito do Programa EDP Tradições, que se revelam como atuais elementos atrativos da “A Moagem – Fábrica das Artes”.

A exposição, que vai contar com a informação traduzida para inglês, vai ser inaugurada na sexta-feira, dia 15 de julho às 18h, podendo a mesma ser visitada até dia 2 de outubro, de quarta-feira a sexta-feira (14h-18h) e aos sábados e domingos entre as 10h e as 13h e das 14h às 18h.

“A Festa dos Tabuleiros, o Património Cultural e a Comunidade” é financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e conta com o apoio do Centros de Estudos em Fotografia de Tomar e de outras instituições locais.

Composta por investigadores integrados e investigadores colaboradores de ambas as instituições, a exposição “resulta das atividades desenvolvidas para o estudo, inventariação e salvaguarda da Festa dos Tabuleiros enquanto manifestação do Património Cultural Imaterial”.

Este projeto, que conta já com publicações e apresentações em diferentes revistas e eventos internacionais académicos, conta assim com três objetivos, nomeadamente “valorizar a função do património cultural imaterial na sociedade e integrar a salvaguarda do referido património em programas de planeamento e promoção”, “produzir conteúdos pedagógicos que possam contribuir para a educação e valorização patrimonial da própria Festa dos Tabuleiros”, e em terceiro lugar, “criar ferramentas que possibilitem a sustentabilidade da festividade através da participação comunitária na criação de modelos de negócio de forma incorporada com a extensão e promoção do contexto económico e social de Tomar, enquanto município da sub-região do Médio Tejo e da região Centro do país”.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.