Martim nasceu em Lisboa em 1991. Foto: DR

“A literatura… e a música” é o tema de uma sessão cultural proporcionada por Martim Sousa Tavares no auditório da biblioteca Municipal de Ferreira do Zêzere na sexta-feira, 8 de abril, pelas 21h30.

Nesta atividade Martim Sousa Tavares “cruza experimentalmente a palavra dita (de um autor português, Saramago, no ano do seu centenário), com sonoridades musicais, criando um ambiente de arte total, envolvente e desconcertante”, explica a autarquia que promove a iniciativa.

Filho do comentador de televisão Miguel Sousa Tavares e da jornalista Laurinda Alves, Martim nasceu em Lisboa em 1991. Realizou o seu percurso de formação em Ciências Musicais e Direção de Orquestra entre as cidades de Lisboa, Milão e Chicago, tendo concluído o Mestrado em Direção de Orquestra na Bienen School of Music – Northwestern University, na classe de Victor Yampolsky, com bolsas Fulbright e Eckstein Foundation, concluindo os estudos com honras académicas.

Em Brescia fundou a Orchestra di Maggio, ativa de 2014 a 2016, que dirigiu em várias cidades italianas até se mudar para os EUA. Regressado a Portugal, fundou em 2019, em Idanha-a-Nova, a Orquestra Sem Fronteiras, com a qual se apresentou em mais de 60 locais em Portugal, Espanha e Brasil.

Trabalhou com orquestras de sete países e realizou concertos em cidades como Madrid, Rio de Janeiro ou São Petersburgo, mas também em pequenas aldeias como Maçaínhas, Caria ou Inguias, num percurso que se pauta pela descentralização do acesso às oportunidades de participação cultural.

Num assumido compromisso com a equidade de compositores e repertórios, tem dado a conhecer ao público português, através de concertos, programas radiofónicos e iniciativas de desenvolvimento de públicos, a música de nomes como Florence Price, John Luther Adams, Einojuhani Rautavaara ou Giya Kancheli.

Assina programas de autor na Antena 2 desde 2019, criou e apresenta, desde 2018, o ciclo “Ouvidos para a Música” na Temporada de Música em São Roque, é coordenador de programação da candidatura de Aveiro a Capital Europeia da Cultura em 2027 e é curador da “Boca do Lobo” no Lux- Frágil. Colabora regularmente com teatro e dança e estreia a sua primeira ópera infantil no outono de 2021, uma encomenda de vários teatros nacionais.

O seu percurso profissional iniciou-se em 2011 enquanto assistente de sala na Fundação Calouste Gulbenkian, onde mais tarde regressou para apresentar guias de audição, estreando-se agora como maestro em concerto com a Orquestra Gulbenkian.

Martim nasceu em Lisboa em 1991. Foto: DR

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.