Luís Forinho, vereador independente (ex-Chega). Foto: YouTube

Depois de várias críticas e de se ter tornado viral numa publicação que fez nas redes sociais, o vereador independente (ex-Chega) do Entroncamento, Luís Forinho, veio reiterar que é homofóbico, afirmando que tem “nojo” das relações entre homossexuais e que nem quer conhecer essas pessoas. O caso tem sido descrito ironicamente como mais um “fenómeno” do Entroncamento.

O espoletar da situação aconteceu em reunião de executivo, a propósito da proposta do regimento de funcionamento da equipa para a igualdade da vida local no Entroncamento, onde Luís Forinho interveio, dizendo que “o problema aqui começa quando se põem frases como ‘igualdade de género'”. Portanto, afirmou, “eu sou completamente contra a igualdade de género, não aceito nada disto. Ao fim de 56 anos continuo sem entender o que é essa coisa da igualdade de género”.

“Desde os princípios da minha existência, sempre me disseram que existem dois géneros, que é o masculino e o feminino, e eu vou continuar a defender isso até aos fins dos meus dias”, disse ainda o vereador, que afirmou que quando se defende “promoção da política de igualdade de género” deveria antes ser “promoção da política de direitos e deveres iguais para todos, sem distinção alguma”.

O caso “escalou” e começou a fazer furor através do vídeo partilhado por Luís Forinho no seu canal de YouTube “Portugal Condenado”, onde falou sobre aquela questão levada e votada em reunião de Câmara. Foi neste vídeo que Luís Forinho proferiu aquela que foi a frase mais mediática: “Homem com homem dá crocodilo, mulher com mulher dá tapete persa”.

Estas declarações levaram a que na reunião de Câmara seguinte, o Partido Socialista se demarcasse das mesmas, tendo lido uma declaração para ficar registada em ata, onde repudiou as declarações de Luís Forinho.

“Tendo vindo a público declarações do senhor vereador Luís Forinho, nomeadamente em redes sociais, onde qualifica a homossexualidade de um modo verdadeiramente impróprio, que nos escusamos a repetir, o que revela uma postura homofóbica intolerante, os eleitos do Partido Socialista vêm por este meio repudiar tais declarações, afirmando que os princípios que nos devem reger são de respeito, tolerância, igualdade, e liberdade, princípios constitucionais, legalmente previstos e que nenhum eleito pode prescindir de cumprir”, leu-se no documento.

“Eu sou homofóbico, não gosto de gays, lésbicas, transexuais, pedófilos, violadores, não gosto (…) Os senhores não gostam da família, e quando defendem esses grupos, essas minorias LGBT e andam a expor a vergonha das bandeiras aí nas varandas das Câmaras Municipais, deviam ter vergonha na cara.”

Luís Forinho, vereador independente (ex-Chega) da Câmara Municipal do Entroncamento

Num desencadear de acontecimentos, em resposta, Luís Forinho colocou um novo vídeo no seu canal pessoal, intitulado “Sou homofóbico, mas não sou comunista nem bandido”, onde reafirmou a sua postura homofóbica e atacou o PS e os seus eleitos.

Começando por afirmar que uma relação homossexual “não dá fruto nenhum”, disse depois que tem “nojo” dessas relações homossexuais e que não quer conhecer essas pessoas, reiterando sucessivamente que é homofóbico, mostrando-se incrédulo com o facto de os eleitos do PS só agora terem percebido que o era.

“Eu sou homofóbico. Vamos lá a repetir para não haver dúvida: eu, Luís Forinho, vereador da Câmara Municipal do Entroncamento, sou homofóbico”, reiterou, peremptoriamente.

“Os senhores não gostam da família, não são defensores da família, porque quando defendem esses grupos, essas minorias LGBT e andam a expor a vergonha das bandeiras aí nas varandas das Câmaras Municipais, os senhores deviam ter vergonha na cara, mas os senhores não têm porque não têm a hombridade, a capacidade e o caráter de defender as famílias, mas é por isso que eu existo. Eu estou cá para defender a vossa família, para defender os vossos filhos dos violadores, dos pedófilos”, disse o vereador independente.

“(…) Da mesma forma e com o mesmo direito expresso na constituição, eu sou homofóbico, não gosto de gays, lésbicas, transexuais, pedófilos, violadores, não gosto (…)”, afirmou também Luís Forinho, acrescentando que “o respeito e a educação que eu tenho demonstrado neste último ano ao serviço da comunidade vai-se acabar”.

Foi, disse, “um ano a escutar a hipocrisia do PS na Câmara Municipal do Entroncamento e no país, os senhores são mais do mesmo a nível nacional”, concluiu, comparando o socialismo ao comunismo.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. A confusão mental é notória na mente desse vereador. Ninguém o obrigado a ser o que não é, mas tem o dever de respeitar outras opções, incluindo ,p.ex. a do nosso grande navegador Vasco da Gama. Respeitar as opções diferentes das nossas, nada tem a ver com família, nem com pedofilia. Talvez devesse estudar um pouco a História da humanidade, para não lançar anátemas totalitários, típicos de talibãs.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *