Viatura dos Bombeiros Voluntários do Entroncamento. Foto ilustrativa: AHBVE

No âmbito da contratação de uma nova Equipa de Intervenção Permanente, o Município do Entroncamento assinou esta quarta-feira um protocolo com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Entroncamento.

A contratualização da nova Equipa de Intervenção Permanente (EIP) representa investimento superior a 60.000,00€ por ano, suportados em partes iguais pelo Município do Entroncamento e pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANEPC) e tem como objetivo reforçar as valências na área de proteção civil e socorro no concelho, dando ainda apoio à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários.

Com esta nova EIP, composta por cinco elementos que visam assegurar em permanência as missões da proteção civil e de socorro às populações, o Município do Entroncamento fica com um total de duas equipas, visto que desde maio de 2019 que a autarquia já suporta uma nos mesmos moldes.

A assinatura do protocolo para contratação e funcionamento da nova EIP aconteceu no edifício da Câmara Municipal, num momento em que marcaram presença o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Entroncamento, Carlos Amaro, bem como o comandante do corpo de bombeiros, Rodrigo Bertelo, e membros dos órgãos sociais da AHBVE.

Recorde-se que em julho deste ano, o Ministério da Administração Interna anunciou a criação de mais de 122 novas Equipas de Intervenção Permanente (EIP), compostas por 610 bombeiros profissionais, nas corporações de bombeiros de 95 municípios, e que se caracterizam “pela sua elevada especialização, com conhecimentos em valências diferenciadas para atuarem em diferentes cenários”.

O respetivo protocolo para a criação das equipas foi assinado em Mação, numa cerimónia presidida pela secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar.

Notícia Relacionada: Num “mundo cada vez mais difícil” resposta é “profissionalização” de bombeiros – Governo

Ana Rita Cristóvão

Abrantina com uma costela maçaense, rumou a Lisboa para se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.