Questão da segurança na cidade foi tema em recente debate na Assembleia Municipal do Entroncamento

A Assembleia Municipal do Entroncamento reuniu em sessão extraordinária para debater a questão da segurança, ou falta dela, na cidade. Para Jorge Faria, presidente da Câmara Municipal, o Entroncamento “tem todas as condições para que as pessoas se sintam seguras”, reconhecendo algum sentimento de insegurança que deriva, no seu entender, de “algum “empolamento nas redes sociais de situações pontuais”, situação que terá contribuído para esse sentimento. As medidas a tomar são várias e estão identificadas.

O autarca lembrou um “claro compromisso” por parte da PSP em reforçar a presença e visibilidade desta força de segurança na cidade, e defendeu a necessidade do Entroncamento acolher uma das equipas de intervenção rápida do Comando Distrital da PSP e da Divisão Territorial de Tomar, tendo ainda assegurado que vai avançar com algumas lombas em algumas zonas do Entroncamento e implementar um estudo para futura instalação de câmaras de videovigilância nalguns pontos da cidade.

ÁUDIO | JORGE FARIA, PRESIDENTE CM ENTRONCAMENTO:

Após as cartas enviadas pelo presidente da autarquia entroncamentense à PSP, nomeadamente ao Comando Distrital de Santarém, expondo situações de insegurança no concelho, no início do mês de abril Jorge Faria, acompanhado pelo presidente da Assembleia Municipal do Entroncamento, Luís Antunes, reuniu presencialmente com o diretor nacional da PSP para debater a necessidade de reforço e melhoria da eficácia da esquadra do Entroncamento, assim como as questões relativas ao processo de licenciamento e construção da nova esquadra.

A sessão extraordinária realizada na sexta-feira foi promovida pelo presidente da Assembleia Municipal, contou com intervenções de todas as bancadas, e teve na sessão de trabalho dois interlocutores da PSP, nomeadamente o Comissário responsável pela esquadra do Entroncamento, Nuno Ponciano, e o superintendente e comandante distrital da PSP, Paulo Quinteiro.

Jorge Faria, que no final da sessão disse ao mediotejo.net que a discussão em torno do tema “valeu a pena”, lembrou as diligências efetuadas nos últimos meses em torno do tema e uma reunião recente com o diretor nacional da PSP.

“Não só tenho solicitado esta reunião, como tenho transmitido ao diretor nacional e ao comandante distrital de Santarém as situações mais graves que têm ocorrido nesta matéria. Em resultado disso, o diretor nacional, o superintendente chefe Manuel Augusto Magina da Silva, convidou-me para uma reunião e fiz-me acompanhar pelo presidente da Assembleia Municipal, que também tinha solicitado uma reunião”, expôs o edil em recente reunião de executivo.

Em cima da mesa, explanou Jorge Faria, foram colocados “os dossiers que nos preocupam a todos”, tendo sido demonstrado por parte do diretor nacional da PSP “um claro compromisso de aumentar a presença e a visibilidade da PSP na nossa cidade”.

“Aliás, deu instruções diretas ao senhor comandante distrital”, acrescentou.

No entanto, o edil sublinhou que não há “um compromisso tão claro do reforço do número de efetivos”, reforço esse que é competência do Comando Distrital.

“Há também uma clara assunção de serem tomadas medidas para melhorar a eficácia da esquadra em dois sentidos: uma relativamente ao comando, e outra, em que foi claramente assumido pelo diretor nacional que eram inaceitáveis comportamentos dos agentes que tendessem a afastar os munícipes do posto da PSP do Entroncamento. Reiterou que haver pouco ou muito efetivo em nada justifica comportamentos que todos nós temos tido conhecimento em que algumas pessoas quando se dirigem à PSP não lhes é facilitada a comunicação de incidente”, informou ainda o autarca entroncamentense.

Questão da segurança na cidade foi tema em debate na Assembleia Municipal do Entroncamento

“Também falei na necessidade de ser localizada no Entroncamento uma das equipas de intervenção rápida do Comando Distrital da PSP e da Divisão Territorial de Tomar, foi-me garantido que iriam estar presentes sempre que fosse (…) aliás, tem sido mais visível a presença durante este ano de reforços na nossa cidade, o que tem reflexos”, prosseguiu.

O autarca voltou ainda a reforçar o apelo para que os munícipes denunciem as ocorrências à PSP, afirmando que tal atitude é dar “um grande contributo para a melhoria do sistema de segurança” na cidade.

Áudio | Jorge Faria, presidente da CM Entroncamento, faz apelo aos munícipes

Quanto à nova esquadra da PSP, que se espera começar a ser construída até ao final de 2022, Jorge Faria deu conta de que o projeto está fechado e que a verba respetiva vai ser incluída no orçamento de Estado a ser aprovado em breve.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Até ver nada parece ter mudado, as patrulhas continuam a ser escassas, passam em média 1 ou 2 vezes ao dia se tanto… quando seria mais útil ser em média umas 2 vezes por hora.
    É um concelho (área de actuação) muito pequeno, 2 vezes por hora ou até mais é perfeitamente executável. Bastam 2 veículos com 2 agentes, ou 4 veículos com 1 agente que depois chama os outros se verificar alguma coisa, e ainda sobram uns 5 agentes para ficar na esquadra, e que podem eventualmente sair de lá para dar apoio se for uma situação mais grave… ou fazer outras tarefas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.