No dia 7 de Abril de cada ano, por ser a data do aniversário da criação da Organização Mundial da Saúde, esta importante instituição internacional chama a atenção da população de todos os países para a importância da manutenção da saúde individual e alerta para diferentes situações que a podem comprometer. Em 2016, as atenções recaem na diabetes, por se tratar de uma doença que afeta um elevadíssimo e crescente número de pessoas em todo o Mundo, com gigantescas consequências nefastas.

A diabetes é uma doença crónica, resultante de um deficit de produção da insulina, de que resulta a incapacidade do organismo de manter os níveis de açúcar no sangue entre determinados valores, um máximo e um mínimo. O descontrolo frequente desses níveis, ao longo do tempo, vai contribuir para a degradação dos vasos sanguíneos, em especial das pequenas artérias.

RUI1

Como nas fases iniciais deste processo os sintomas não são percebidos ou valorizados pelas pessoas, as doenças que resultam da degradação dos vasos sanguíneos vão-se instalando, de forma progressiva e muito traiçoeira e a médio ou longo prazo revelam-se como situações clínicas de elevada gravidade, com pesadas consequências, podendo por em risco a própria vida do doente.

De facto, a deficiente irrigação associada à diabetes poderá atingir:

  • os membros inferiores e ser a causa de frequentes amputações;
  • os olhos e ter como consequência uma diminuição progressiva da visão, que pode resultar em cegueira;
  • o coração e ser responsável por angina e enfartes do miocárdio, tantas vezes mortais;
  • os rins e provocar insuficiência renal crónica, cujo controlo exige com frequência o recurso a diálise;
  • o cérebro e ser a causa principal dos acidentes vasculares cerebrais, os AVC, de que resultam paralisias de partes do corpo ou, muitas vezes, a morte.

A degradação vascular associada à diabetes pode ser observada através de exame do fundo do olho e percecionada quando o doente anda e tem que parar com dores nos músculos posteriores das pernas (é a chamada claudicação intermitente).

A diabetes é uma doença comportamental porque se desenvolve especialmente em pessoas que se alimentam de forma incorreta, que se mexem pouco (sedentarismo) e que apresentam excesso de peso. De facto, são os nossos erros alimentares que alimentam a doença.

Pelo exposto, também se percebe que esta é uma doença controlável. Manter o peso em valores aceitáveis está na moda e é de todo desejável.

A redução do consumo de alimentos açucarados e de açúcar é necessária e aconselha-se vivamente. O açúcar é uma caloria vazia, que apenas nos fornece energia. As calorias que estes alimentos nos proporcionam, contribuem de forma muito significativa para o excesso de peso e a obesidade de um número crescente de cidadãos.

Combater o sedentarismo é outro aspeto importante para combater a obesidade.

RUI2

O Plano Local de Saúde do Médio Tejo que, uma vez aprovado pelas diferentes unidades funcionais dos serviços de saúde e instituições parceiras externas, como os Municípios e os Serviços de Educação, engloba um projeto promotor de “Comportamentos Favorecedores da Saúde”. Ele irá contribuir para informar os cidadãos sobre este tipo de doenças, de enorme gravidade e encorajá-los a selecionarem e adotarem comportamentos saudáveis, que lhes transmitam prazeres e ao mesmo tempo não hipotequem, no presente e no futuro, o seu maior bem. Tão importante na nossa vida que até nas festas, nos aniversários de amigos e familiares, se evidencia no principal de todos os desejos, quando brindamos pela nossa e vossa SAÚDE, numa vida longa, com muita qualidade.

RUI3

Rui Calado

Rui Calado é médico epidemiologista e especialista em Saúde Pública. Foi coordenador da USP (Unidade de Saúde Pública) do ACES Zêzere e do Médio Tejo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.