Créditos: Unsplash

Depois de ontem ter sido superada pela primeira vez a barreira dos 1.000 casos diários, nas últimas 24 horas registaram-se mais 940 casos positivos de covid-19 no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo. O maior número de infeções volta a registar-se em Ourém, com 268 casos, seguindo-se Torres Novas (204), Tomar (163), Abrantes (141) e Entroncamento (110).

Apesar de os casos continuarem nos valores mais elevados desde o início da pandemia, o número dos óbitos mantém-se estável na região, bem como o relativo aos internamentos.

No Centro Hospitalar do Médio Tejo há neste momento 34 doentes internados em enfermaria e 2 na Unidade de Cuidados Intensivos, informou a assessoria de imprensa ao nosso jornal. Há um ano os números eram quatro vezes superiores: havia 158 pacientes internados, com 143 em enfermaria e 15 em Cuidados Intensivos.

A nível nacional, Portugal bate pelo quarto dia consecutivo o recorde de novos contágios diários, com mais 2.104 novas infeções. Foram registadas 58.530 novas infeções e mais 49 mortes associadas à covid-19, indicam os números hoje divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nas últimas 24 horas foram hospitalizadas mais 40 pessoas, totalizando agora 2.044 internamentos a nível nacional, 162 dos quais em unidades de cuidados intensivos, onde estão hoje mais 10 pessoas.

Nas últimas 24 horas foram colocados em vigilância mais 34.280 contactos, que são agora 425.910. Na região do Médio Tejo deixaram de ser divulgados os dados relativos aos casos em vigilância ativa.

*Com Lusa

Patrícia Fonseca

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.