Publicado emConstância, Cultura, Exposições

Constância | Um olhar de fora sobre as gentes da terra através da fotografia (C/VIDEO)

Exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio, em exposição na Sala Polivalente do Cineteatro de Constância até 18 de fevereiro de 2022. Imagem: Ricardo Escada

Numa viagem fotográfica pelo território constanciense, é através dos rostos das gentes que habitam ou trabalham nas três freguesias do concelho que ficamos a conhecer o dia a dia, os costumes e a vida que existe a cada canto. Até ao próximo dia 18 de fevereiro, a Sala Polivalente do Cineteatro Municipal de Constância acolhe “um olhar de fora” sobre as pessoas do concelho através da exposição fotográfica “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio.

Da soma das diferenças de individualidades, costumes e rotinas resulta a unicidade do território constanciense, exposta através da arte do retrato. São 30 fotografias que nos mostram 34 rostos e incontáveis histórias de vida.

Resultado de um trabalho efetuado no passado mês de setembro de 2021, esta exposição é o produto final das “deambulações” do fotógrafo Augusto Brázio pelo concelho constanciense, que “durante uma série de dias” se foi cruzando pelas freguesias de Constância, Montalvo e Santa Margarida com diferentes vidas.

Hoje, esses registos dispersos pelo concelho juntam-se todos num espaço, exaltando a identidade e a pertença a um território, ao mesmo tempo que proporciona a quem entra pela Sala Polivalente do Cineteatro de Constância “uma reflexão sobre o indivíduo e o seu quotidiano, as ligações com os sítios que habita, trabalha e se diverte”.

Augusto Brázio, fotógrafo responsável pela exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”. Imagem: Ricardo Escada

“Este é um olhar de uma pessoa de fora que olha para vocês de certa maneira. E isso, por vezes é bom. Sermos olhados com outros olhares”, admitiu na inauguração da exposição, a 4 de fevereiro, o responsável pelo projeto Retratos da Minha Terra.

Com retratos de gentes do concelho e não só, o fotógrafo – que privilegia a fotografia de retrato por ser “uma forma de estar com as pessoas” – recorda os “momentos incríveis” que passou ao cruzar-se com as diferentes pessoas por um território que era para ele “praticamente desconhecido”.

“Limitava-me a passar perto pela autoestrada, nunca tinha tido a oportunidade de estar mais em contacto com as pessoas”, admite, afirmando que “uma pessoa que não é daqui e que chegue cá acaba por criar rotinas”.

“Devo confessar que ao fim do dia já dava por mim na taberna a beber uma cerveja e falar com as pessoas”, acrescenta ainda.

Com uma pequena descrição junto a cada retrato, Augusto Brázio esclarece que há sempre um cuidado do qual não descura no seu trabalho: “retratar a pessoa dignamente”. “Podem estar aqui [diversas] classes sociais, mas são retratadas todas com dignidade”.

A exposição insere-se no projeto “Caminhos das Pessoas”, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em parceria com o Município de Constância, tendo na ocasião o presidente da Câmara destacado a importância de “cada vez mais, os projetos seja no âmbito da cultura seja noutros âmbitos sejam pensados na vertente supramunicipal, numa vertente de conciliar vontades e esforços em tudo aquilo que é a CIMT”.

Inauguração da exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio, 4 de fevereiro de 2022. Imagem: mediotejo.net

Quanto à exposição, Sérgio Oliveira encara como “algo positivo” a diferenças existentes entre freguesias que “enriquecem o território” e escolhe um dos retratos que, no seu entender, “melhor retrata o concelho”.

“Eu diria que a fotografia que melhor retrata o concelho e que é transversal a todas as três freguesias do concelho é a da taberna do senhor Carlos, em Montalvo, porque efetivamente o concelho tinha muitas tabernas como esta e era ali que era o local de encontro das pessoas, o local de convívio e de discussões, e é isto que é o mais genuíno do nosso mundo rural”, assumiu.

A exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias” está aberta ao público todos os dias, das 14h00 às 17h00, na Sala Polivalente do Cineteatro Municipal de Constância.

EXPLORE OS RETRATOS PRESENTES NA EXPOSIÇÃO NA FOTOGALERIA SEGUINTE:

Ana Rita Cristóvão

Abrantina com uma costela maçaense, rumou a Lisboa para se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Publicado emConstância, Cultura, Exposições

Constância | Um olhar de fora sobre as gentes da terra através da fotografia (C/VIDEO)

Exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio, em exposição na Sala Polivalente do Cineteatro de Constância até 18 de fevereiro de 2022. Imagem: Ricardo Escada

Numa viagem fotográfica pelo território constanciense, é através dos rostos das gentes que habitam ou trabalham nas três freguesias do concelho que ficamos a conhecer o dia a dia, os costumes e a vida que existe a cada canto. Até ao próximo dia 18 de fevereiro, a Sala Polivalente do Cineteatro Municipal de Constância acolhe “um olhar de fora” sobre as pessoas do concelho através da exposição fotográfica “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio.

Da soma das diferenças de individualidades, costumes e rotinas resulta a unicidade do território constanciense, exposta através da arte do retrato. São 30 fotografias que nos mostram 34 rostos e incontáveis histórias de vida.

Resultado de um trabalho efetuado no passado mês de setembro de 2021, esta exposição é o produto final das “deambulações” do fotógrafo Augusto Brázio pelo concelho constanciense, que “durante uma série de dias” se foi cruzando pelas freguesias de Constância, Montalvo e Santa Margarida com diferentes vidas.

Hoje, esses registos dispersos pelo concelho juntam-se todos num espaço, exaltando a identidade e a pertença a um território, ao mesmo tempo que proporciona a quem entra pela Sala Polivalente do Cineteatro de Constância “uma reflexão sobre o indivíduo e o seu quotidiano, as ligações com os sítios que habita, trabalha e se diverte”.

Augusto Brázio, fotógrafo responsável pela exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”. Imagem: Ricardo Escada

“Este é um olhar de uma pessoa de fora que olha para vocês de certa maneira. E isso, por vezes é bom. Sermos olhados com outros olhares”, admitiu na inauguração da exposição, a 4 de fevereiro, o responsável pelo projeto Retratos da Minha Terra.

Com retratos de gentes do concelho e não só, o fotógrafo – que privilegia a fotografia de retrato por ser “uma forma de estar com as pessoas” – recorda os “momentos incríveis” que passou ao cruzar-se com as diferentes pessoas por um território que era para ele “praticamente desconhecido”.

“Limitava-me a passar perto pela autoestrada, nunca tinha tido a oportunidade de estar mais em contacto com as pessoas”, admite, afirmando que “uma pessoa que não é daqui e que chegue cá acaba por criar rotinas”.

“Devo confessar que ao fim do dia já dava por mim na taberna a beber uma cerveja e falar com as pessoas”, acrescenta ainda.

Com uma pequena descrição junto a cada retrato, Augusto Brázio esclarece que há sempre um cuidado do qual não descura no seu trabalho: “retratar a pessoa dignamente”. “Podem estar aqui [diversas] classes sociais, mas são retratadas todas com dignidade”.

A exposição insere-se no projeto “Caminhos das Pessoas”, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo em parceria com o Município de Constância, tendo na ocasião o presidente da Câmara destacado a importância de “cada vez mais, os projetos seja no âmbito da cultura seja noutros âmbitos sejam pensados na vertente supramunicipal, numa vertente de conciliar vontades e esforços em tudo aquilo que é a CIMT”.

Inauguração da exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias”, de Augusto Brázio, 4 de fevereiro de 2022. Imagem: mediotejo.net

Quanto à exposição, Sérgio Oliveira encara como “algo positivo” a diferenças existentes entre freguesias que “enriquecem o território” e escolhe um dos retratos que, no seu entender, “melhor retrata o concelho”.

“Eu diria que a fotografia que melhor retrata o concelho e que é transversal a todas as três freguesias do concelho é a da taberna do senhor Carlos, em Montalvo, porque efetivamente o concelho tinha muitas tabernas como esta e era ali que era o local de encontro das pessoas, o local de convívio e de discussões, e é isto que é o mais genuíno do nosso mundo rural”, assumiu.

A exposição “Retratos da Minha Terra – Geografias” está aberta ao público todos os dias, das 14h00 às 17h00, na Sala Polivalente do Cineteatro Municipal de Constância.

EXPLORE OS RETRATOS PRESENTES NA EXPOSIÇÃO NA FOTOGALERIA SEGUINTE:

Ana Rita Cristóvão

Abrantina com uma costela maçaense, rumou a Lisboa para se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.