Foto ilustrativa: DR

Em mais uma edição da iniciativa ‘A Praça ConVida’, no sábado, 7 de janeiro, às 15h00, o cineteatro de Constância vai contar com a presença de um grupo da Associação CICO – Centro Internacional do Carrilhão e do Órgão, para o cantar das Janeiras à comunidade.

Sob o mote “Vamos Cantar os Reis”, a partir das 15h00, os sons da tradição cultural portuguesa vão-se fazer ouvir na vila poema. A iniciativa realizada pela Câmara Municipal de Constância, através do Museu dos Rios e das Artes Marítimas, estava inicialmente planeada para a Praça Alexandre Herculano, mas o local foi alterado devido às condições meteorológicas previstas para este dia.

Visando promover e salvaguardar uma tradição da cultura tradicional portuguesa, como é o Cantar dos Reis, a iniciativa vai contar com a participação da ACLAMA – Associação Cultural «Os Amigos de Martinchel», da Sociedade Filarmónica de Educação e Beneficência Riomoinhense, da Associação Filarmónica Montalvense – 24 de janeiro, do PVGNA TAGI – Grupo de Música Tradicional de Constância e do Grupo de Cantares da Casa do Povo de Montalvo.

Aliando a promoção da cultura à dinamização da vila, ‘A Praça ConVida’ é uma iniciativa mensal que visa “atrair mais público ao coração do centro histórico de Constância, criando mais dinâmicas principalmente junto dos estabelecimentos comercias da zona”, conforme sublinha a autarquia constanciense.

Todas as atividades, destinadas ao público em geral, têm entrada livre.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *