As Festas do Concelho de Constância 2022/Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem iniciaram na sexta-feira já com milhares de pessoas na vila poema. Foto: Ricardo Escada

As Festas do Concelho de Constância 2022/Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem iniciaram na sexta-feira e trazem consigo até segunda-feira, feriado municipal, um diversificado programa de atividades. Das icónicas ruas floridas às tasquinhas da gastronomia e doçaria, da mostra de artesanato às tradições religiosas em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem e os concertos que reúnem multidões no coração da vila, fique a par de todos os momentos que não vai querer perder nestas Festas do Concelho de Constância 2022.

A abertura oficial das festas será este sábado, dia 16 de abril, mas na sexta-feira já acolheu milhares de pessoas para o dia zero de um evento que este ano é marcado também pelo bom tempo e propício a uma visita à vila poema. Sérgio Oliveira, presidente da Câmara de Constância, visitou todos os stands presentes e cumprimentou um a um os artesãos, doceiros, dirigentes associativos e demais agentes que fazem desta a maior festa do concelho. O primeiro concerto do evento contou com um tributo a António Variações.

FOTOGALERIA

Programa para sábado, dia 16 de abril

09h00 – Grande Prémio da Pascoa em Atletismo

15h00 – Inauguração Oficial das Festas (Praça Alexandre Herculano)

15h00 – Mostra Nacional de Artesanato e Mostra de Doces e Sabores (Parque de Merendas)

15h00 às 04h00 – Espaço Jovem dinamizado por coletividades (Zona Ribeirinha)

16h00 – Música à Tarde (Palco Pelourinho) com: Banda da Associação Filarmónica Montalvense 24 de Janeiro; PVGNA – Grupo de Música Tradicional da CICO; Grupo de Cantares da Casa do Povo de Montalvo

18h00 – Mega Aula de Zumba (Praça Alexandre Herculano)

22h00 – Concerto Fernando Daniel (Palco Camões)

23h30 – Concerto Os Red (Palco Pelourinho)

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.