Cleanwatts anuncia Comunidade de Energia em Santa Margarida da Coutada. Foto: DR

A Cleanwatts ganhou o projeto para a criação da Comunidade de Energia Renovável (CER) de Santa Margarida da Coutada, no concelho de Constância. Com a instalação de uma central fotovoltaica, esta CER apoiará 168 famílias, que beneficiarão de uma tarifa social comunitária cerca de 30% inferior às atuais tarifas de mercado, anunciou a empresa.

O projeto, refere a Cleanwatts em comunicado, tem como objetivo “a sustentabilidade, a redução de custos relacionados com a energia desta instituição e, também, o combate à pobreza energética entre as famílias carenciadas da região”.

A Instalação da Central Fotovoltaica, de 168.4 kW, será feita “sem custos para o cliente, num terreno privado”, avança a Cleanwatts. Embora o terreno em causa tenha uma plantação de oliveiras, a empresa afirma que vai garantir a sua manutenção, colocando-as noutra zona da propriedade.

Com este projeto, Santa Margarida da Coutada vai, ainda, acrescenta, “diminuir o seu impacto ambiental”, com a energia produzida pela central a evitar a emissão de 75 toneladas equivalentes de CO2/ano.

Para além da redução de custos, Santa Margarida vai tornar-se, através desta CER, carbon-positive e mais independente energeticamente, pois uma parte da energia consumida passa a ser proveniente da central solar (autoconsumo).

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 168.4 kW, num terreno privado de Santa Margarida da Coutada, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, refere Maria João Benquerença, diretora de Comunidades de Energia da Cleanwatts, citada na nota informativa.

“Vamos passar a produzir, localmente, energia verde suficiente para possibilitar que esta Comunidade alimente as suas necessidades e forneça, ainda, energia para apoiar famílias em situação de pobreza energética”, afirma.

Apesar de o projeto estar ainda a nascer, já há planos para o futuro próximo: “a CER de Santa Margarida da Coutada irá arrancar com a instalação dos painéis no terreno do produtor-âncora, após o que a Cleanwatts angariará consumidores nesta região, de preferência com afinidades sociais e perfis de consumo complementares ao do produtor-âncora”, explica Maria João Benquerença.

“A Comunidade poderá, posteriormente, crescer com a adesão de novos membros-produtores, que tenham telhados ou terrenos com capacidade para expandir a potência fotovoltaica instalada. O impacto da Comunidade poderá ainda crescer com a introdução de outras fontes de geração renovável, como eólica, biomassa ou hidroelétrica, por exemplo”, frisa a responsável.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *