CIMT reconhece Casa Memória de Camões como bem patrimonial, cultural e turístico da região. Foto arquivo: mediotejo.net

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) declarou esta quinta-feira, por unanimidade, o reconhecimento da Casa Memória de Camões, em Constância, como um bem patrimonial, cultural e turístico da região, medida que visa alavancar o processo de aquisição de conteúdos para aquele equipamento e abrir ao público um espaço único no país dedicado ao maior poeta português.

Em declarações ao mediotejo.net, a presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, Anabela Freitas, disse que a deliberação unânime por parte dos 13 autarcas dos municípios da região, em sessão descentralizada que decorreu em Abrantes, resulta da solicitação do autarca de Constância, Sérgio Oliveira, para o reconhecimento da importância e da necessidade para a região do Médio Tejo da abertura da Casa – Memória de Camões, em Constância.

“É a primeira vez que a CIMT delibera neste sentido e deliberámos por unanimidade reconhecer a Casa Memória de Camões enquanto bem patrimonial, cultural e turístico” do Médio Tejo, disse Anabela Freitas, tendo feito notar que, “efetivamente”, aquele equipamento “é mais um ativo em matéria cultural, que, depois, terá dinamização turística” na região.

“A Casa Memória está reabilitada, mas não há conteúdos e é preciso ir à procura de fundos comunitários e de parcerias, no âmbito até do mecenato, para que a Câmara de Constância possa colocar conteúdos e ter um ativo aberto a quem nos visita”, notou.

Casa-Memória de Camões em Constância: a Casa de Camões que Portugal não tem e deve e pode ter | Foto: DR

“É uma posição unânime, todos nós entendemos que é um ativo importante, que possa ajudar a Câmara de Constância, e a CIMT está disponível para ajudar o presidente de Câmara e ir onde for necessário, temos de ser solidários uns com os outros, porque”, reiterou, “aquilo que é bom para um concelho é bom para os concelhos à volta e reconhecemos aqui por unanimidade a importância daquele ativo que temos no território”.

A Câmara Municipal de Constância, no presente e ao longo dos últimos anos, e António Matias Coelho, atual presidente da Associação Casa Memória de Camões, têm reclamado apoio dos poderes públicos para cumprir o sonho de Manuela Azevedo, fundadora da Associação, em abrir ao público a Casa de Camões que Portugal não tem, “um equipamento cultural que a todos beneficiaria – Constância, a região e o pais”.

“Constância – que tem com Camões uma relação de afeto como nenhuma outra terra no nosso país – dispõe de uma Casa-Memória nova e com condições excelentes para ser a Casa de Camões que Portugal, lamentavelmente, não tem”, disse recentemente ao mediotejo.net António Matias Coelho. Hoje, a CIMT juntou-se no reconhecimento e no apoio às justas pretensões das gentes de Constância, com quem o poeta terá privado.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *