Constituída a Confraria do Vinho Medieval de Ourém para defender “produto histórico e endógeno”. Foto: CMO

O método de produção deste vinho remonta à fundação da nacionalidade, quando foi instituída em Portugal a ordem de Cister liderada por Bernardo de Claraval, cujos monges trouxeram para o nosso país os novos métodos de fazer agricultura e onde se incluiu também a produção de vinho. 

Entronizada pela Confraria do Arinto de Bucelas, a Confraria Medieval de Ourém conta 22 Confrades Fundadores e oito Confrades de Mérito, entre as quais algumas personalidades envolvidas na instituição da DOP [Denominação de Origem Protegida] Medieval de Ourém.

Na cerimónia, a Câmara Municipal de Ourém foi elevada ao estatuto de Confrade de Mérito, “pelo papel de relevo em todo o processo de criação da DOP Medieval de Ourém e também pelo contributo ativo na projeção do Vinho Medieval de Ourém, no presente e no passado”.

Constituída a Confraria do Vinho Medieval de Ourém para defender “produto histórico e endógeno”. Foto: CMO

Foram também entronizados antigos autarcas oureenses com intervenção considerada fundamental ao longo de todo este processo: Armando Neto, David Catarino, Mário Albuquerque e Sérgio Ribeiro também são Confrades de Mérito. Carlos Duarte, antigo Secretário de Estado da Agricultura, também foi entronizado Confrade de Mérito, por ter sido um dos grandes impulsionadores da aposta no Vinho Medieval de Ourém.

A Confraria do Vinho Medieval de Ourém foi criada pela VitiOurém, uma associação vitinicola criada em 2021 e composta por 10 associados ativos na produção do Vinho Medieval de Ourém. António Manuel Lopes, presidente da VitiOurém, é o Grão Mestre.

Além da criação da Confraria do Vinho Medieval de Ourém, está já na mira que, numa fase
posterior, venha também a ser instituída uma Câmara de Provadores, “para complementar o trabalho já efetuado e apoiar localmente os pequenos viticultores para que vejam o seu produto valorizado em termos de mercado, e assim mantenham vivo este património que importa preservar”, referem os promotores.

A Confraria Medieval de Ourém conta com 22 Confrades Fundadores e oito Confrades de Mérito. Foto: CMO

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.