CIM do Médio Tejo assina protocolo de colaboração com a Universidade de Coimbra. Foto: CIM Médio Tejo

Com o objetivo de melhorar as qualificações dos jovens, dando resposta às novas necessidades do mercado de trabalho, bem como alavancar as qualificações das pessoas que estão no mercado de trabalho, a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Médio Tejo assinou um protocolo de colaboração com a Universidade de Coimbra no âmbito do projeto “Living the Future Academy”.

A sessão, que decorreu na sede da CIM Médio Tejo, em Tomar, no dia 23 de junho, contou com a presença do Reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão, da Vice-Reitora Cristina Albuquerque, e dos representantes dos municípios do Médio Tejo, a par de diversas entidades da região, como associações empresariais e comerciais e centros de formação de associações de escolas.

Cristina Albuquerque, efetuou uma breve apresentação do projeto e das várias medidas em curso e previstas nos domínios do Impulso Jovens STEAM e Incentivo Adultos, tendo feito notar que o projeto “Living the Future Academy” significa que “a partir do presente se pretende preparar o futuro”.

O seu propósito, destacou, “assenta na preparação de estruturas e de pessoas para a concretização de decisões inteligentes capazes de determinar, de forma sustentável e estratégica, o presente e o futuro/mudança paradigmática necessária à transição para a sociedade 5.0 e para a liderança cooperativa”.

O protocolo assinado no âmbito do “Living the Furure Academy” apresenta como objetivos estratégicos “criar oportunidades de formação de jovens STEAM e profissionais, promover conexão entre capacitação, investigação e partilha de conhecimento, e “construir processos de proximidade e coordenação entre a Academia, o mercado de trabalho, os territórios e as populações”.

O Reitor da Universidade de Coimbra destacou a importância do projeto em termos da estratégia territorial, num processo que conta com a presença e adesão de cinco CIM envolvendo 73 municípios, tendo defendido a necessidade de uma atitude coletiva a nível regional.

“Tenho sido muito crítico em relação à existência de dois polos, como é o caso de Lisboa e Porto. É fundamental desmitificarmos isto e criarmos condições na região para os nossos jovens, e fixá-los também”, referiu Amílcar Falcão.

A presidente da CIM Médio Tejo, Anabela Freitas, terminou a sessão de formalização do protocolo com a Universidade de Coimbra, tendo manifestado a convicção da importância de um triângulo virtuoso para o desenvolvimento dos territórios, sendo o mesmo constituído pelo poder publico, pelas empresas e pelas instituições do ensino superior, pelo conhecimento.

“Só conseguimos combater aquilo que é a trajetória do nosso território se conseguirmos implementar este triangulo. São grandes os desafios que se colocam no Médio Tejo, e entendo que o que é desejável é que quanto mais  instituições tiverem envolvidas, melhor se  conseguirá alcançar este grande desafio”, concluiu.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.