Publicado emChamusca, Tauromaquia

Chamusca | Santa Casa abre concurso para concessão da Praça de Toiros

A Praça de Touros da Chamusca foi construída em 1919. Foto: DR

A Santa Casa da Misericórdia da Chamusca abriu um concurso público para concessão da Praça de Toiros durante o ano 2022. Os interessados em gerir aquele recinto, que em 2019 comemorou o seu centenário, devem apresentar propostas até dia 4 de fevereiro.

Segundo o anúncio, o adjudicatário está obrigado a promover pelo menos duas corridas de touros, uma na tradicional Quinta-feira da Ascensão e outra numa data a determinar.

Fora do concurso, fica o tradicional Festival Taurino de angariação de fundos para aquela instituição.

Nas últimas duas temporadas, a Praça de Touros da Chamusca foi gerida pelo empresário Ricardo Levesinho.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Publicado emChamusca, tauromaquia

Chamusca | Santa Casa abre concurso para concessão da Praça de Toiros

A Praça de Touros da Chamusca foi construída em 1919. Foto: DR

A Santa Casa da Misericórdia da Chamusca abriu um concurso público para concessão da Praça de Toiros durante o ano 2022. Os interessados em gerir aquele recinto, que em 2019 comemorou o seu centenário, devem apresentar propostas até dia 4 de fevereiro.

Segundo o anúncio, o adjudicatário está obrigado a promover pelo menos duas corridas de touros, uma na tradicional Quinta-feira da Ascensão e outra numa data a determinar.

Fora do concurso, fica o tradicional Festival Taurino de angariação de fundos para aquela instituição.

Nas últimas duas temporadas, a Praça de Touros da Chamusca foi gerida pelo empresário Ricardo Levesinho.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.