A futura empresa intermunicipal irá receber e tratar cerca de 85 mil toneladas por ano de resíduos urbanos (Foto: DR)

A partir de 1 de julho a RESITEJO – Associação de Gestão e Tratamento dos Lixos do Médio Tejo vai dar lugar à empresa intermunicipal RSTJ – Gestão e Tratamento de Resíduos, EM, SA.

Nos dez municípios envolvidos está a decorrer o processo de aprovação, pelas Câmaras e Assembleia Municipais, da minuta de pacto social da empresa legatária a constituir, a minuta do contrato de gestão, o estudo de viabilidade económica, bem como os estatutos da nova empresa.

Se tudo correr como previsto, a Resitejo cessa funções a 30 de junho e no dia seguinte inicia funções a nova empresa.

Este processo resulta da obrigatoriedade legal imposta pela nova lei das finanças locais, a que se juntou a pressão do Tribunal de Contas e os pareceres da ERSAR e da DGAL.

A nova empresa intermunicipal, que segue um modelo de constituição, idêntico ao da empresa Águas do Ribatejo, dá continuidade ao trabalho da Resitejo na recolha e tratamento de resíduos urbanos da região.

São dez os municípios envolvidos: Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

No atual modelo de gestão, os Municípios pagam uma quota fixa à Resitejo e um valor proporcional aos resíduos depositados.

Na futura empresa, cada Município tem um décimo (10%) do capital social que é de 50 mil euros, ou seja cada Município entra com um capital de 5 mil euros.

Segundo dados que constam no estudo de viabilidade económica, a futura empresa intermunicipal irá receber e tratar cerca de 85 mil toneladas por ano de resíduos urbanos, produzidos pelos cerca de 210 mil habitantes da área abrangida, para além de resíduos de outras entidades.

Concelhos abrangidos pela Resitejo (Foto: DR)

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *