Chamusca mantém escola básica de Ulme a funcionar e dá início a obras de requalificação da secundária. Foto arquivo: DR

A Câmara da Chamusca anunciou o início das obras de remodelação e requalificação da Escola Básica e Secundária da vila, no valor de 4 milhões de euros, afirmando que “as aulas irão decorrer normalmente” durante os trabalhos. Em Ulme, a Escola Básica vai continuar a funcionar este ano letivo, com autorização excecional.

A vice-presidente da autarquia, Cláudia Moreira, contou que a escola básica de Ulme beneficia de autorização excecional de funcionamento desde 2015 e irá funcionar este ano com vinte alunos. Mesmo estando na lista das escolas em risco de fechar, muitas autarquias decidiram continuar a investir nas primárias numa tentativa de inverter o processo.

Em comunicado, a Câmara Municipal da Chamusca, afirma que as obras de requalificação da escola secundária visam “proporcionar às crianças e jovens do concelho as melhores condições de aprendizagem no seu estabelecimento escolar, assim como aos professores e educadores todas as ferramentas necessárias para que o processo de ensino seja o mais facilitado possível”.

A intervenção é comparticipada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) no valor de 1.077.585,39 euros e pelo Ministério da Educação no valor de 700.000 euros, sendo que, “à medida que a intervenção nos blocos vai ficando concluída, os alunos vão sendo instalados nas salas de aulas requalificadas, permanecendo outros nos módulos, devidamente climatizados, colocados para o efeito”, acrescenta a nota, que aponta a conclusão da obra para o ano letivo 2023-2024.

Escola Secundária da Chamusca com obras de requalificação de 4 milhões de euros. Foto: mediotejo.net

Segundo a vice-presidente, Cláudia Moreira, que detém o pelouro da Educação, a remodelação e requalificação desta escola fecha “as grandes intervenções” do município nas escolas do concelho, lembrando a requalificação de todo o parque escolar de 1.º ciclo e de ensino pré-escolar no ano letivo de 2015-2016, “em que foi feita a climatização das salas, a repavimentação dos espaços exteriores ainda em areia e a colocação de telheiros para abrigo da chuva”.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.