Albufeira de Castelo do Bode. Foto: mediotejo.net

A barragem de Castelo do Bode apresenta-se com 96,7% da sua capacidade máxima de armazenamento de água, de acordo com os dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos.

É o volume de armazenamento mais elevado desde 2016, isto apesar de terem sido feitas algumas descargas pontuais.

Para esta capacidade quase total de água contribuíram as chuvas de março, quase o dobro do habitual.

Castelo do Bode é uma das 46 entre as 60 barragens monitorizadas que apresentam um volume de armazenamento superior a 80 por cento da capacidade máxima.

Na zona central da barragem existe uma régua que marca 121,5 m como nível pleno de água. A cota atual é de 120,62m.

A barragem de Castelo do Bode cria uma albufeira numa extensão aproximada de 60 quilómetros, cuja água abastece cerca de 2,8 milhões de pessoas em Lisboa e mais 34 concelhos do Ribatejo e Estremadura.

Quando foi inaugurada a 21 de janeiro de 1951, a barragem tinha apenas como função a produção de energia hidroelétrica. Mas nos anos 80, ao aproveitamento hidroelétrico juntou-se a captação de água pela EPAL.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.