Realizou-se na noite de 4 de setembro o primeiro dos 13 debates que o jornal mediotejo.net organizou, no âmbito das eleições autárquicas marcadas para 1 de outubro. O público encheu o auditório municipal, instalado nos Paços do Concelho, para ouvir os candidatos a esgrimir argumentos: Gabriel Feitor, pelo Movimento “Cidadãos por Alcanena”, e Fernanda Asseiceira pelo Partido Socialista, sendo que esta última lidera o executivo desde 2009. Estava ainda prevista a participação da candidata da CDU, Carla Pereira, que justificou a sua ausência deste debate por “motivos profissionais”.

Mediotejo.net realizou esta segunda-feira, 4 de setembro, o primeiro debate com os candidatos às autárquicas Foto: mediotejo.net

O debate, moderado por Mário Rui Fonseca, director-adjunto do mediotejo.net, e pela jornalista Cláudia Gameiro, arrancou pelas 21 horas com as razões pelos quais os candidatos se apresentam a votos. “Pretendo dar um contributo e ser uma alternativa de projecto”, referiu Gabriel Feitor, o primeiro a intervir decorrente do sorteio realizado momentos antes do início da sessão. Já Fernanda Asseiceira disse que se candidata para “continuar o trabalho que tem feito desde 2009 e construir um melhor futuro para o concelho de Alcanena”.

Público aderiu e encheu o auditório municipal para ouvir este debate Foto: mediotejo.net

Ao longo de mais de uma hora e meia, os candidatos foram questionados sobre a estratégia que defendem para a Cultura, Economia, Turismo e Saúde, entre outros dossiers. Um dos pontos sobre os quais discordaram mais teve a ver com as políticas que visam a fixação dos jovens. Gabriel Feitor defendeu que a Câmara devia investir no arrendamento jovem, nomeadamente comprando habitações para as arrendar a baixos custos para os mais jovens, ao que a candidata do Partido Socialista respondeu que a Câmara “não deve ser uma agência de arredamento”.

Gabriel Feitor, candidato do movimento independente “Cidadãos por Alcanena”. Foto: mediotejo.net

Também no campo da Cultura, o candidato do Movimento Independente “Cidadãos por Alcanena” considera que se deve deixar de investir em betão e que “a aposta tem que ser mais imaterial”, mas a candidata do PS, Fernanda Asseiceira, considera que “ainda há muitas obras que devem ser feitas no sentido de melhorar as condições das associações”.

Fernanda Asseiceira, candidata do Partido Socialista à Câmara de Alcanena Foto: mediotejo.net

O debate terminou com o apelo ao voto por parte dos dois candidatos. “Votem a favor da mudança, da renovação e do futuro do concelho”, disse Gabriel Feitor. Já a candidata do PS sublinhou a competência da sua equipa: “É um projeto que não pode ser interrompido e que merece que precisa que continuem a acreditar nele”, disse.

*Republicado a 28 de setembro

Elsa Ribeiro Gonçalves

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. 1- Intervenientes: Fraco, fraquinho, talvez porque as perguntas eram um pouco gerais para todos os debates na região do médio Tejo, não foram acutilantes para os problemas específicos de Alcanena: PDM e Zona Industrial, Estradas, maus cheiros, fixação e valorização das populações, falta de democracia do executivo camarário… Culpa dos intervenientes que não souberam ir por aí?
    2- mediotejo: Que dizer de um moderador que interrompia sempre um dos candidatos? Só numa resposta interrompeu mais vezes um que ao outro candidato em todo o debate.
    E a referência para um em detrimento de um falso paternalismo para com o outro, que não mereciam.
    Cumprimentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.