Com um investimento na ordem dos 70 mil euros, o projeto AO.RI – Artes e Ofícios do Ribatejo Interior é resultado de uma candidatura ao Programa Operacional do Centro, e cofinanciado pelo FEDER - Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional. Foto: mediotejo.net

Os municípios de Abrantes, Constância e Sardoal vão dinamizar, através da Associação Tagus, um projeto de revitalização de Artes e Ofícios tradicionais com cursos de formação profissional ao nível do artesanato e outros atividades ligadas à dignificação dos saberes e da identidade das suas gentes.

A TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior, em conjunto com os municípios parceiros, apresentou o projeto AO.RI – Artes e Ofícios do Ribatejo Interior, no sábado, 19 de março, no Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal, numa sessão onde foi destacada a importância de promover e valorizar as artes e ofícios tradicionais, que são representativas das vivências, saberes-fazer, identidade e cultura do território.

VIDEO | ENTREVISTA SOBRE PROJETO DE ARTES E OFÍCIOS DA TAGUS:

Na sessão de sábado, o objetivo foi o de promover a integração dos participantes deste projeto com a comunidade, demonstrando as suas áreas de atuação numa via de trabalho que, além de pretender valorizar as artes e ofícios tradicionais, tem como objetivo complementar a oferta dos produtos turísticos do Médio Tejo.

A sessão de apresentação do projeto contou com diferenciadas intervenções, entre elas a de Jorge Brandão, vogal executivo do Centro 2020, que apresentou a perspetiva da valorização do património identitário da região Centro, seguindo-se a TAGUS, que fez o enquadramento do projeto AO.RI.

Paulo Passos, diretor criativo da Napperon, abordou o desenvolvimento da imagem do projeto, e Paulo Lima, antropólogo, explicou como se vai desenvolver o levantamento histórico das artes e ofícios do Ribatejo Interior.

Com moderação de Luís Dias, da Câmara de Abrantes, e declaração final de Miguel Borges, presidente da Câmara de Sardoal, as intervenções terminaram com Luís Rocha, diretor do CEARTE – Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Património, que abordou o tema da qualificação e o e reconhecimento dos artesãos como forma de profissionalizar e desenvolver o artesanato.

Neste evento foi ainda oficializada a assinatura do protocolo de colaboração entre a TAGUS e o CEARTE, no âmbito deste projeto, envolvendo presidentes dos municípios de Abrantes, de Constância e de Sardoal, e Luís Rocha, diretor do Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Património.

Associação Tagus revitaliza ‘Artes e Ofícios do Ribatejo Interior’ com projeto formativo. Foto: mediotejo.net

Este protocolo pretende, através de formações de curta duração, desenvolver a competitividade dos artesãos, disponibilizando-lhes ferramentas de apoio que os auxiliem a (re)pensar o seu negócio.

No âmbito deste projeto também se realizarão workshops de iniciação às atividades tradicionais, dirigidos a jovens locais envolvidos nas áreas das artes e design, e outros potenciais interessados, que irão conhecer as técnicas de saberes-fazer tradicionais.

Desta forma, “assegura-se a sua preservação e serão estimulados futuros projetos de empreendedorismo, que garantirão a continuidade da produção”, releva a organização.

Com um investimento na ordem dos 70 mil euros, o projeto AO.RI – Artes e Ofícios do Ribatejo Interior é resultado de uma candidatura ao Programa Operacional do Centro, e cofinanciado pelo FEDER – Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.