Alcanena encontra-se a preparar plano de gestão da rede viária. Foto: Rawpixel

Rui Anastácio (Cidadãos por Alcanena), presidente da Câmara Municipal de Alcanena, disse em reunião de executivo que se encontra a preparar um plano de gestão da rede viária, no qual vai definir os critérios para alcatroamentos prioritários, de forma a evitar decisões “casuísticas” e “politiqueiras”, num concelho que tem mais de 300 quilómetros de alcatrão, além das estradas que estão ainda por alcatroar.

Questionado por um munícipe de Minde, relativamente a algumas estradas que necessitam de alcatroamento, Rui Anastácio deu a conhecer que em agosto vai ser feito o alcatroamento da estrada da rua Alexandre Herculano, na localidade de Minde, uma vez que foi indicada como sendo “a prioridade das prioridades”, tendo em conta que é uma estrada que “serve neste momento umas largas  dezenas de famílias” e que está um “buraco completo”.

“Tudo o que tem a ver com restantes alcatroamentos, com a exceção daqueles que possam estar incluídos em algumas empreitadas, nós estamos já a fazer um plano de gestão da rede viária”, disse o presidente da autarquia alcanenense que, referindo que o concelho tem mais de 300 quilómetros de alcatrão para além do que falta alcatroar, afirmou não conseguir conceber que se faça uma “gestão casuística”.

Rui Anastácio (Cidadãos por Alcanena), presidente da Câmara Municipal.

Rui Anastácio defendeu que têm de existir critérios claros, como o número de pessoas que se serve ou as infraestruturas, os quais o município se encontra a estabelecer e que vai discutir com todas as Juntas de Freguesia do concelho no final do ano.

“Seja qual for o valor que venha para alcatroamentos no orçamento, o que tem que estar claro para toda a gente é quais são as prioridades do concelho e porquê. Porque comigo não contam para andar a fazer alcatroamentos nos últimos meses de mandato, como muitas vezes e ultimamente também já aconteceu, nomeadamente no ano passado”, disse o autarca.

“Contam comigo para critérios claros que toda a gente perceba e portanto nós vamos ter um plano, estamos a fazer um levantamento do estado de todas as nossas estradas e das estradas que faltam alcatroar (…) e vamos ter um mapa do concelho todo, com corres diferentes, que vai explicar a todos quais são as prioridades e porque é que são aquelas as prioridades. A partir daí, à medida que vamos tendo dinheiro, vamos alcatroando. É só isto que eu posso dizer neste momento”.

Sublinhando que embora se possa ou não concordar com os critérios adotados, o líder do município de Alcanena entende que o importante é que estes sejam critérios técnicos que toda a gente perceba, sendo que “o problema é que até hoje não houve critério, o critério foi casuístico para não dizer que foi politiqueiro, (…) para onde calhava mais, para quem pressionava mais, quem fazia mais chantagem”, afirmou Rui Anastácio, que disse ser por isso mesmo que se está a trabalhar neste documento técnico.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Nada de política mas começa no seu Santuário de VOTOS a alcatroar porque, não na terra dele de naturalidade e não concelho de morada, dado o mau estado das ruas dentro de Alcanena até ao Peral e outras nas freguesias não só em Minde.
    A política está sempre presente nele e amigos que o rodeiam pois as eleições estão longe e já passou quase um ano de conversas e nada de obras, o estado de graças está a acabar no seu eleitorado pelo voz do Povo que já diz que foi enganado pelo seu voto.
    Espero que alguns ricos de Alcanena não fiquem mais ricos com as compras da Camara que se falam por aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.