Maus cheiros levam Câmara de Alcanena a assumir 'tolerância zero' para com as empresas prevaricadoras. Foto arquivo: CMA

Foi o vereador José Luís Ramos (PS) quem levou o assunto à reunião camarária de 7 de novembro, onde pediu um ponto de situação sobre o tema. Nuno Silva (Cidadãos por Alcanena), vereador com o pelouro do Ambiente, confirmou que ele próprio tem sentido algumas situações e que o cheiro é normalmente afeto à ação dos sulfuretos e não das lamas.

O edil fez saber que alguns industriais já foram convocados para uma reunião na Aquanena (Empresa Municipal de Águas e Saneamento de Alcanena), onde foi exigido “mais e melhor tratamento e o cumprimento daquilo que é o regulamento de descarga”, sendo que vai ser enviada uma terceira informação às empresas e que a fase seguinte passa por fiscalização, inclusivamente municipal.

Vereador Nuno Silva (Cidadãos por Alcanena).

“Foi dada a indicação à própria fiscalização da Aquanena para tomar outro tipo de controlos que normalmente não fazia, ou seja o controlo que normalmente é feito tem mais a ver com água, e foi também solicitado que passassem a ter em atenção também esta questão de se os equipamentos de desodorização estão ou não estão a trabalhar. Portanto para terem outro tipo de cuidados nas intervenções que têm nas empresas (…)”, adiantou ainda Nuno Silva.

Rui Anastácio fez depois uso da palavra para dizer que tem de haver “mão forte” e que ele próprio já deu essas indicações à Aquanena, acrescentando que esta empresa municipal tem-se inclusivamente disponibilizado para prestar algum aconselhamento técnico.

Na visão municipal, a maioria dos casos está relacionada com problemas de dessulfurização nas próprias empresas, algo que “nós sabemos que por vezes não é um processo, até do ponto de vista técnico, muito fácil de controlar, mas tem que haver um grande rigor e um grande empenho por parte das empresas, e muitas vezes não existe”, afirmou Rui Anastácio.

“E não existindo, e do ponto de vista de não cumprir com as licenças de descarga, nós estamos a ser e seremos implacáveis do ponto de vista também das multas que estão aí em processo (…)” disse o líder do município alcanenense.

Rui Anastácio (Cidadãos por Alcanena), presidente da Câmara Municipal.

“Temos de ser implacáveis. Nos dias de hoje não é tolerável que as empresas não cumpram escrupulosamente com aquilo a que estão obrigadas. E portando, da nossa parte, terão tolerância zero, isso posso-vos garantir”, declarou Rui Anastácio, acrescentando que está em causa não só a saúde mas também a qualidade de vida das pessoas.

O autarca adiantou ainda que têm havido queixas “e com toda a razão” na zona da “baixa, junto do miradouro”, e que ele próprio foi lá numa noite, sendo que pouco depois de chegar o cheiro praticamente desapareceu. “O que é verdade é que depois há coisas estranhas”, disse Rui Anastácio, mencionando que a vereação sabia de que fábrica é que se estava a falar.

Rafael Ascensão

Licenciado em Ciências da Comunicação e mestre em Jornalismo. Natural de Praia do Ribatejo, Vila Nova da Barquinha, mas com raízes e ligações beirãs, adora a escrita e o jornalismo.

Entre na conversa

1 Comentário

  1. Sempre foi uma vergonha e sempre será boa ventura
    Marciel
    Viva a (( Fernanda aceisseira aquanenena )) que abriu uma empresa para seu prévio
    Viva ao vereador Luís pires

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *