Oposição na Chamusca votou contra o tarifário da AR para 2023. Foto: mediotejo,net

Os tarifários de água e saneamento nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas, municípios que integram a empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR), vão sofrer um aumento de 3,9% em 2023. No entanto, o tarifário social e o das famílias numerosas mantém-se.

O assunto foi abordado na reunião da Câmara da Chamusca do dia 8 de novembro e motivou os votos contra dos vereadores da oposição, Gisela Matias (CDU) e Tiago Prestes (PSD/CDS).

Na nota justificativa do novo tarifário, a AR argumenta com o aumento dos custos de energia e dos custos operacionais e tendo em conta o plano de investimentos para 2023. Além disso, salienta-se que nos últimos dois anos não houve atualização do tarifário.

O vereador Tiago Prestes alertou para “os tempos que aí vêm, que não se adivinham serem bons” para defender que devia haver solidariedade para com as famílias, tendo em conta os sacrifícios a que estão a ser sujeitas. Lembrou também que a AR é uma empresa intermunicipal, cujo saldo líquido previsional até ao fim do ano é de 180 a 200 mil euros.

Discussão na Câmara da Chamusca sobre o tarifário da AR para 2023

Também a vereadora Gisela Matias (CDU), com base no relatório financeiro do 1º semestre da AR, conclui que “é uma empresa com estabilidade financeira, a crescer em todos os indicadores”. Ou seja, “a AR está bem e recomenda-se”.

Por isso, a eleita afirma não compreender, por exemplo, “que não haja outra vez investimento para reparação de pisos no concelho”, falando em “centenas de quilómetros com piso degradado por intervenção da AR e que não são reparados como deve ser”.

“Voltamos a ficar com as estradas tipo manta de retalhos no concelho da Chamusca”, criticou.

A autarca salientou ainda que, apesar das dificuldades nacionais e do aumento de custos, a empresa está a crescer e por isso defende que “deveria haver outro tipo de ponderação relativamente a este aumento”.

O presidente da Câmara, Paulo Queimado (PS), disse partilhar e compreender a preocupação dos eleitos da oposição mas lembrou a estrutura de custos e alertou para que não se caia em situações de incumprimento no final do ano, como se perspetiva na RSTJ.

Além da proposta de tarifário para 2023, foi também aprovado, por maioria, o Orçamento, Plano Plurianual de Atividades e Plano Plurianual de Investimentos da AR.

José Gaio

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *