Adolescente que morreu no Tejo, em Abrantes, vai a sepultar este sábado. Foto: Jorge Santiago/mediotejo.net

O funeral da adolescente que foi encontrada na noite de terça-feira no rio Tejo realiza-se no sábado, 28 de maio, pelas 11h00, no cemitério de Santa Catarina, em Abrantes. Sara Sebastião morreu aos 16 anos, ao ser arrastada pelas águas do rio na tarde de sexta-feira, 20 de março, um desfecho dramático e que deixou consternada toda a comunidade abrantina. À família enlutada endereçamos os mais sentidos pêsames.

O corpo da jovem de 16 anos que estava desaparecida desde sexta-feira, dia 20, foi encontrado na noite de terça-feira, 24 de maio, no rio Tejo, junto ao açude de Abrantes, disse na ocasião fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém. “O corpo foi encontrado junto ao açude [de Abrantes], numa das margens do rio, e retirado das águas pelas 21:20, confirmando-se que é a rapariga que estava desaparecida desde sexta-feira”, disse a mesma fonte do CDOS.

Segundo avançou, o cadáver da jovem foi “recolhido e levado para o Instituto de Medicina Legal”, no Hospital de Abrantes, onde “deverá ser sujeito a autópsia”.

Durante quatro dias, elementos e meios da PSP, dos bombeiros e da proteção civil estiveram junto ao rio Tejo, em Abrantes, à procura da jovem de 16 anos desaparecida na sexta-feira, tendo o corpo sido avistado no rio, à noite, por populares, que se haviam juntado às buscas.

Uma vez que a jovem terá desaparecido ao início da tarde de sexta-feira, quando se estaria a banhar no rio Tejo com uma amiga, e o alerta só foi dado pelas 22:30, a Polícia Judiciária de Leiria foi chamada a intervir para tentar esclarecer os factos. A jovem vai agora a sepultar.

Bombeiros de Abrantes desenvolveram buscas durante três dias no Tejo. Foto: Jorge Santiago/mediotejo.net

Fonte da PSP de Abrantes disse à Lusa no sábado que as duas jovens “não tiveram aulas, devido à greve da função pública [na sexta-feira], e ter-se-ão ido banhar para o rio Tejo, na zona do Aquapolis, em Rossio ao Sul do Tejo, em Abrantes”.

O alerta foi dado pelas 22:17 pela amiga, mas o “alegado desaparecimento terá acontecido durante a tarde”, quando a corrente do rio terá arrastado a jovem, que não conseguiu chegar à margem.

“Talvez por medo ou outra razão, a rapariga só mais tarde alertou os pais. As buscas iniciaram-se pelas 22:30” daquela sexta-feira, explicou ainda a PSP de Abrantes.

Ao longo daqueles quatro dias estiveram dezenas de operacionais no terreno, com vários meios e drones da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, numa operação que envolveu o esvaziamento do açude insuflável para fazer baixar as águas do rio e ajudar aos trabalhos de busca dos mergulhadores e operacionais, equipados com drones e um sonar.

Em comunicado, os Bombeiros de Abrantes fizeram no final das operações um ponto de situação do trabalho desenvolvido.

Segundo a corporação abrantina, as buscas aquáticas por uma adolescente de 16 anos foram acionadas por informação da PSP/testemunha de que uma jovem havia desaparecido na tarde de 20 de maio, com o Alerta dado às 22h17, sendo de imediato deslocados para a zona do Aquapólis meios de Bombeiros, apoiados com 6 veículos e uma embarcação, que efetuaram trabalhos de busca até às 01h20.

Estiveram envolvidos na ocorrência meios dos Bombeiros de Abrantes, Bombeiros de Tomar, Bombeiros de Alpiarça, da PSP, Serviço Municipal de Proteção Civil de Abrantes, Força de Bombeiros da Protecção Civil (FEPC), ASSBSI-EMERGENCY Associação Humanitária de Busca e Salvamento Internacional e diversos civis que apoiaram nas buscas, que se estenderam durante os dias 21, 22, 23 e 24 de Maio de 2022, tendo os meios das entidades referidas, percorrido as margens do Tejo, a montante e jusante do Açude, com embarcações e com mergulhadores dos Bombeiros, Força Especial de Proteção Civil e Associação Humanitária de Busca e Salvamento Internacional, que apoiaram também com 2 equipas de binómios (homem/cão).

Foram ainda utilizados diversos meios tecnológicos, que incluíram sondas, drones e robot submarino, que efetuaram diversas buscas em locais de difícil acesso e visibilidade.

Às 20h56 do dia 24 de maio foi recebida informação de civil, nos Bombeiros de Abrantes, que foi avistado vulto na zona jusante do Açude do Rio Tejo, junto à margem Norte, sendo enviados de imediato para o local pelos Bombeiros de Abrantes 4 veículos e uma embarcação, com 10 elementos, sendo o corpo recuperado pelas 21h20.

Durante as operações a articulação das diversas entidades permitiram o controlo do caudal do rio Tejo, sendo o açude desinsuflado conforme as necessidades operacionais planeadas, tendo o rio tido diversas vezes o caudal mínimo.

Os meios dos Bombeiros de Abrantes envolvidos nos cinco dias de buscas envolveu 40 Bombeiros, com o apoio de diversos veículos/equipamentos e três embarcações.

c/LUSA

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.