Associação Tagus promove em Abrantes uma sessão de reflexão sobre o ‘Combate à Desertificação do Ribatejo Interior’. Foto: DR

As oportunidades para minimizar a desertificação no Ribatejo Interior vão estar em reflexão em Abrantes no dia 31 de maio, terça-feira, no anfiteatro da EPDRA, em Mouriscas, anunciou a TAGUS, no âmbito da parceria “Combate à desertificação no Ribatejo Interior”.

O ciclo de reflexão “O Combate à Desertificação no Ribatejo Interior – Oportunidades” culmina no dia 31 de maio, pelas 15h00, numa sessão que marca o final de um projeto que tem por objetivo “sensibilizar e encontrar formas de minimizar a problemática da desertificação e despovoamento para Abrantes, Constância e Sardoal”.

A sessão na Herdade da Murteira, em Mouriscas (Abrantes), será marcada por alguns exemplos de projetos dinamizados dentro da temática, que servem de evidência de que é possível contribuir-se para minimizar os efeitos desta problemática global, agindo localmente.

O momento alto do ciclo, segundo a organização, será a apresentação do trabalho sobre os constrangimentos e potencialidades do Ribatejo Interior, desenvolvido pela FUNDEC – Associação para a Formação e Desenvolvimento em Engenharia Civil e Arquitetura, do Instituto Superior Técnico, da Universidade de Lisboa. Este estudo envolveu alunos do 12º ano, do ensino superior da região, e atores diferenciados do território da TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior.

O evento, gratuito, será dirigido ao público em geral, uma vez que o tema da desertificação e do despovoamento é uma problemática que afeta o Ribatejo Interior, assim como muitos outros territórios. As inscrições podem ser efetuadas através do sítio na Internet da TAGUS (www.tagus-ri.pt).

Esta é a última atividade do “Combate à Desertificação do Ribatejo Interior”, aprovado no âmbito da operação 20.2.4 – Assistência técnica da Rede Rural Nacional, área 4 “Observação da agricultura e dos territórios rurais”, na temática “Jovens nos Territórios Rurais e Luta contra a Desertificação”, financiado pelo Programa Nacional de Desenvolvimento Rural (PDR2020), do Portugal 2020, através do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER).

Este projeto resulta de uma parceria entre a TAGUS, a Associação de Agricultores de Abrantes, Constância, Sardoal e Mação, a EPDRA – Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes, a FAJUDIS – Federação das Associações Juvenis do Distrito de Santarém e o TAGUSVALLEY – Tecnopolo do Vale do Tejo.

Com o objetivo de contribuir para o combate deste problema, focou-se na sensibilização das entidades e da população local, incentivando à reflexão sobre os constrangimentos existentes e as potencialidades endógenas de Abrantes, Constância e Sardoal.

No seu âmbito, foram realizados workshops, grupos focais, ações de benchmarking e, agora, este ciclo de reflexão sobre as oportunidades para os territórios rurais lutarem eficazmente contra a desertificação.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.