Assinatura do contrato de apoio financeiro à ERPI da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes. Créditos: CMA

O Contrato de Apoio a Projetos Empresariais de Interesse Municipal (em Abrantes) para a construção de uma ERPI – Estrutura Residencial para Idosos, uma resposta social da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes que representa um investimento na ordem de um milhão de euros, foi assinado na quarta-feira pelo presidente da Câmara Municipal, Manuel Jorge Valamatos, e pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes, Alberto Margarido.

Tal contrato concretiza o apoio da Câmara de Abrantes na ordem dos 31 mil euros correspondente a isenção de taxas municipais, “tendo em conta a importância social deste investimento da Santa Casa e dos 14 postos de trabalho que o mesmo vai criar”, informa o Município.

Depois da assinatura do contrato seguiu-se uma visita à obra de construção da futura Estrutura Residencial para Idosos, um investimento privado no valor superior a um milhão de euros, vocacionada para alojamento coletivo, de utilização temporária ou permanente, para pessoas idosas em situação de risco ou de perda de autonomia, beneficiando de atividades de apoio social e cuidados de saúde.

Obras da nova ERPI da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes. Créditos: CMA

O edifício com três pisos, com capacidade para acolhimento de 32 utentes, está a ser construído em terreno localizado na traseira do Lar-Hospital da Misericórdia, na parte virada para a encosta sul, com vista sobre o rio Tejo e o Aquapolis.

Assinatura do contrato de apoio financeiro à ERPI da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes. Créditos: CMA

Manuel Jorge Valamatos referiu “ser uma honra” poder colaborar na valorização deste projeto social da maior importância porque, adiantou, “os idosos nos merecem uma preocupação a todo o tempo, pelo que ainda precisamos de fazer muito trabalho para proteger as pessoas com mais idade, contribuindo para uma melhor qualidade de vida”.

Já Alberto Margarido salientou o facto deste projeto ser sonhado há já vários anos, tendo agradecido a disponibilidade da CMA para mais uma parceria com a Santa Casa, “estamos a trabalhar no mesmo sentido”. Referiu ainda que este projeto vem ajudar a centralizar alguns serviços e a melhorá-los.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.