Jardins no interior do Castelo de Abrantes. Foto: DR

A União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede vai assumir, a partir do dia 1 de maio, a conservação, manutenção e limpeza do Jardim do Castelo de Abrantes e do Aquapolis Norte. O contrato interadministrativo, com duração de 8 meses e delegação de competências da Câmara Municipal de Abrantes, leva acoplado um apoio financeiro de 20 mil euros. “Uma experiência” que, se correr bem, “é para continuar”, segundo o presidente da Câmara Municipal.

A União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede será responsável pela conservação, manutenção e limpeza do Jardim do Castelo de Abrantes e do Aquapolis Norte a partir do dia 1 de maio. A decisão foi tomada pela Câmara Municipal de Abrantes que aprovou por maioria, com a abstenção do vereador do Bloco de Esquerda, a minuta de contrato interadministrativo que delega na Junta de Freguesia essas competências durante 8 meses, com uma comparticipação financeira de 20 mil euros.

O contrato surgiu “por uma questão de proximidade”, explicou ao mediotejo.net o presidente da Câmara Municipal de Abrantes. “As Juntas de Freguesia desempenham um papel muito importante na nossa comunidade porque estão mais próximas do que os serviços do Município. E assim, importa estabelecer estes contratos por forma a dar repostas cirúrgicas a determinadas situações”, referiu Manuel Jorge Valamatos, dando conta que contratos semelhantes serão estabelecidos com outras Freguesias.

Reunião de Câmara Municipal de Abrantes. Créditos: mediotejo.net

No acordo, que delega novos trabalhos na União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede, encontra-se a limpeza das infraestruturas existentes nos espaços, nomeadamente, do lago do Jardim do Castelo, dos sanitários e caminhos pedonais dos dois espaços; execução de trabalhos de reparação e conservação de portões, bancos, papeleiras e outro mobiliário urbano instalado no espaço, e execução de trabalhos de reposição de muros e escadas de acesso aos diferentes talhões do Jardim.

“O cidadão quer os bancos arranjados, as flores bonitas, a calçada corrigida, os muros não partidos, não importa se é [da competência] da Câmara Municipal ou da Junta de Freguesia. E é isso que estamos a fazer estabelecendo um protocolo com a União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede para que a Junta nos possa ajudar a cuidar e manter determinados espaços específicos”, afirmou o presidente, desvalorizando a questão levantada pelo vereador Armindo Silveira (BE) que quis saber os motivos “do Jardim do Castelo ter atingido o estado de degradação que é visível, especialmente os muros? Por escassez de recursos humanos no Município de Abrantes?”, interrogou.

Manuel Jorge Valamatos admitiu falta de recursos humanos para dar conta dos trabalhos e justificou com o crescimento de espaços públicos na cidade de Abrantes. “Não temos tido as pessoas necessárias a acompanhar esse crescimento”, disse, lembrando que há cerca de 20 anos “a Cidade Desportiva, o Parque Urbano de São Lourenço, nada existia, nem o Aquapolis, nem tantos outros recantos, sítios, becos ou urbanizações”.

Armindo Silveira quis, ainda, saber a razão das competências de conservação, manutenção e limpeza do Jardim do Castelo e do Aquapolis Norte ficarem “melhor acauteladas se delegadas na Junta de Freguesia, e justificou o seu voto por não ter tido acesso ao estudo que o demonstra. “Como o estudo não nos foi facultado e o mesmo é requerido por lei e sem colocar em causa a competência dos trabalhadores da União de Freguesias de Abrantes e Alferrarede”, o vereador bloquista optou pela abstenção.

Relativamente aos 8 meses de duração da vigência do contrato, Manuel Valamatos explicou tratar-se de “uma questão de calendário” sendo este também um período de avaliação. “No final no ano vamos avaliar o protocolo e estaremos cá para o corrigir. É nossa esperança que seja para continuar, mas veremos qual será o resultado, da capacidade da Junta de realizar as suas ações, e cá estaremos para analisar se esta é uma boa estratégia. Estamos convictos que sim”.

Também o vereador do Partido Social Democrata, Rui Santos, comentou esta delegação de competências congratulando-se com a mesma. Lembrou que “ao fim de três anos e meio e depois de uma publicação de fotografias que o PSD fez, vamos ver pelo menos o Castelo melhorado”, considerando, no que toca à manutenção dos espaço públicos, existir “uma maneira diferente de se fazer política” na Câmara.

“Há uma perceção diferente daquilo que são os problemas, quer da freguesia quer do concelho”, considerou.

Paula Mourato

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.